Três partes do genoma destes peixes permitem que eles mesmo 'se curem'

As taxas de sobrevida de pessoas com insuficiência cardíaca praticamente não mudaram nos últimos 20 anos, e a expectativa de vida de pacientes com esta condição é pior do que a daqueles que têm muitos tipos de câncer.

A doença, que atinge milhões de pessoas e muitas vezes se manifesta depois de um ataque cardíaco, faz com que o coração não consiga bombear o sangue como deveria, causando fraqueza e fadiga - uma caminhada curta, por exemplo, pode virar uma tarefa extremamente cansativa.

Uma das promessas de cura está guardada nos genes de um pequeno peixe mexicano, o Astyanax mexicanus, capaz de regenerar o tecido cardíaco sem deixar cicatrizes.

O mistério da morte de John Chau, o americano recebido a flechadas por aborígenes ao entrar em ilha proibida.

Quando o coração sobrevive a um infarto, por exemplo, seu tecido é reparado, mas fica com cicatrizes que impedem que o músculo cardíaco se contraia adequadamente. Este fator reduz drasticamente a capacidade do coração de bombear sangue para o corpo - e pode gerar a insuficiência cardíaca.

Os pacientes são forçados a viver com a doença por toda a vida, e os casos mais extremos exigem um transplante de coração. Mathilda Mommersteeg e um colega recolheram amostras do tipo de peixe envolvido na pesquisa e que vive em cavernas.

Um estudo financiado pela Fundação British Heart, liderado pela pesquisadora Mathilda Mommersteeg e sua equipe na Universidade de Oxford, aponta que o peixe tetra, que vive nos rios do norte do México, pode indicar um caminho para o desenvolvimento de um tratamento eficiente para essa condição.

Isso porque a capacidade de regeneração do tecido cardíaco que é típica dessa espécie estaria ligada, entre outros componentes, a genes que também estão presente nos seres humanos.

A pista da caverna

Os peixes tetra que vivem em cavernas perderam a capacidade de regenerar o tecido do coração

Os cientistas descobriram que três partes do genoma desses peixes estão envolvidas em sua capacidade de regenerar o tecido cardíaco.

Para realizar a pesquisa, a equipe de Mommersteeg estudou dois tipos de peixes tetra mexicanos: aqueles que vivem nos rios e têm a capacidade de autorregenerar o coração e aqueles que viveram nas cavernas há cerca de 1,5 milhão de anos atrás e, com a evolução, perderam essa habilidade.

Ao compararem os dois tipos de peixe, os pesquisadores descobriram que dois genes (lrrc10 e caveolina) se tornavam muito mais ativos nos peixes de rio após uma lesão cardíaca. Ambos os genes estão presentes em humanos, e sabe-se que a lrrc10 está relacionada a uma condição cardíaca chamada cardiomiopatia dilatada.

Os autores do estudo, publicado no periódico Cell Reports, acreditam que um dia poderá ser possível regenerar corações humanos modificando artificialmente o funcionamento deste e de outros genes.

Isto poderia ser feito com medicamentos ou através de técnicas de edição genética.

"Acho que este peixe pode nos dizer, em algum momento, como podemos realmente reparar o coração humano. É cedo, mas estamos incrivelmente entusiasmados com esses peixes extraordinários e com o potencial para mudar a vida de pessoas com corações danificados", diz Mommersteeg.

Serão necessárias ainda mais pesquisas para encontrar outros genes-chave que possam estar envolvidos na regeneração do coração.

Fonte: BBC News


Educação por excelência: Venha para o "CEO Aqui é O lugar" em

Teixeira de Freitas: A instituição educativa CEO Educacional traz para Teixeira Modernidade e Evolução Educacional. O Jornalismo do Liberdade

SAC Teixeira tira RG de crianças de 0 a 10 anos em ambiente lúdico

Teixeira de Freitas: Aconteceu neste sábado, 15 de dezembro, o Projeto Pequeno Cidadão, que facilita acesso de crianças de até 10 anos de

Por que estamos vivendo no ‘planeta das galinhas’, segundo

Pesquisadores dizem que a galinha pode ser um símbolo do antropoceno Um estudo realizado a partir de ossos de galinha descobertos em sítios

Caverna “imensa” nunca vista antes é encontrada no Canadá

A caverna foi descoberta por acidente por funcionários de um parque Uma equipe que trabalha para o Ministério de Recursos Nacionais  do

MEC reconhece mais 7 cursos a distância

Portaria foi publicada nesta quarta (12) no Diário Oficial da União. Serão quase 10 mil vagas. O Ministério da Educação (MEC) reconheceu a

MEC divulga base comum para reformar a formação de professores

Antes de entrar em vigor, documento tem que ser analisado e aprovado no Conselho Nacional de Educação; ao G1, relator da base afirmou que o

A última ‘chuva’ de estrelas cadentes de 2018 será nesta sexta

Auge das geminídeas acontece todos os anos no mês de dezembro É a última chuva de "estrelas cadentes" do ano e será visível em praticamente

WhatsApp: Os celulares em que o app deixará de funcionar em 2019

O WhatsApp atualizou sua lista de celulares incompatíveis com o aplicativo O WhatsApp, o aplicativo de mensagens mais usado no mundo, é

Pai obriga filha andar 8 km até a escola após ela praticar bullying

Estudante foi expulsa do ônibus escolar e pai teria que levá-la para a aula. Vídeo que mostra a punição já teve mais de 63 mil comentários e

Conheça 10 formas de colaborar com o combate ao aquecimento global

Não existe dúvida de que mudança climática é uma realidade, e estamos começando a ver exemplos, como as chuvas torrenciais no Brasil Os

UAI Brasil
O teixeirão 2018
previcon
Connect Informática
Nossos Apoiadores: