DJ 2018.1

Órgão afirma que reajuste estabelecido "não recompõe poder de compra"

O reajuste de R$ 17 (1,81%), para R$ 954, no valor do salário mínimo de 2018 foi criticado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). O órgão pediu nesta sexta-feira (12) uma revisão do valor para “devolver ao salário mínimo o poder de compra do início do ano passado”.

A solicitação do Dieese leva em conta que o reajuste da remuneração mínima aos trabalhadores foi reajustado em um percentual abaixo da inflação oficial de preços calculada pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que fechou o ano em 2,07%.

No papel, o novo mínimo resultará em uma perda real mensal de R$ 2,39 ou R$ 28,75 ao longo deste ano aos profissionais que recebem com base na remuneração.

"A valorização do salário mínimo conquistada até aqui trouxe resultados muito positivos para a sociedade brasileira", afirma o Dieese, que defende a remuneração básica como significativo "para reduzir a desigualdade de renda no País". 

"Com a quantia de R$ 954,00 determinada para janeiro de 2018, impõe-se ao salário mínimo perda acumulada de 0,34% nos últimos dois anos, o que o faz retornar praticamente ao mesmo valor real de janeiro de 2015", argumenta o órgão em nota.

Apesar da perda real, alguns Estados do País têm seus salários mínimos próprios e, consequentemente, maiores do que a regra geral nacional. Isso ocorre em São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Em dezembro, o próprio Dieese revelou que o salário mínimo ideal para os brasileiros deveria ser de R$ 3.585,05, valor 275% superior aos atuais R$ 954.

Até 2019, a variação do salário mínimo levará em conta a oscilação do INPC no ano anterior e o PIB (Produto Interno Bruto) — soma de todas as riquezas produzidos no País — de dois anos antes, conforme determina a Lei 13.152. Como a economia brasileira encolheu em 2016, o reajuste deste ano do mínimo teve como base apenas a inflação.

Fonte: R7

Vice-prefeita nega desacato à PM em caso em que foi presa

A vice-prefeita de Morpará, na região do Velho Chico, oeste baiano, negou que tenha desacatado a Polícia no caso em que resultou na prisão dela

PF pede transferência de Lula e diz que já gastou R$ 150 mil

A Superintendência da Polícia Federal de Curitiba pediu à Justiça a transferência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para "um

Bahia tem mais de 6 mil autoridades com foro privilegiado

A Bahia é o segundo estado no Brasil com maior número de autoridades com prerrogativa de foro, também conhecido como foro privilegiado. Com este

Câmara Municipal realiza sessão à noite nesta quarta-feira (25)

A Câmara Municipal de Teixeira de Freitas realizará a sua sessão ordinária desta próxima quarta-feira (25/04), às 19h. Conforme o presidente

Vice-prefeita é presa por desacato a policiais de Morpará

A vice-prefeita da cidade de Morpará, no oeste da Bahia, foi presa por desacato a autoridade após discussão com policiais na madrugada de

A NICA DA LIBERDADE 163

Ramiro Guedes INCULTO QUE SOU... A excelente revista Bula listou 70 livros básicos da Literatura Brasileira, denominando-os os melhores. Como em

Pré-candidata Marta Helena defende candidatura de João Gualberto e

Teixeira de Freitas: A pré-candidata a Deputada Estadual Marta Helena (PSDB), defendeu na tarde dessa sexta-feira as candidaturas de João

Zé Ronaldo denuncia descaso de Rui Costa com a educação na Bahia

O pré-candidato ao governo do Estado, Zé Ronaldo, denunciou, em Santo Antônio de Jesus, o descaso do governador Rui Costa com a educação

‘Lula já começa a virar passado’, diz Roberto Jefferson

O pivô do mensalão, Roberto Jefferson (PTB), afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva começou a ser esquecido após a prisão pela

MP denuncia e ex-prefeito Beto Pinto e ex-secretário se tornam réus

O Ministério Público do Estado da Bahia propôs uma AÇÃO CIVIL PÚBLICA POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA, em desfavor do empresário e

Nossos Apoiadores: