Órgão afirma que reajuste estabelecido "não recompõe poder de compra"

O reajuste de R$ 17 (1,81%), para R$ 954, no valor do salário mínimo de 2018 foi criticado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). O órgão pediu nesta sexta-feira (12) uma revisão do valor para “devolver ao salário mínimo o poder de compra do início do ano passado”.

A solicitação do Dieese leva em conta que o reajuste da remuneração mínima aos trabalhadores foi reajustado em um percentual abaixo da inflação oficial de preços calculada pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que fechou o ano em 2,07%.

No papel, o novo mínimo resultará em uma perda real mensal de R$ 2,39 ou R$ 28,75 ao longo deste ano aos profissionais que recebem com base na remuneração.

"A valorização do salário mínimo conquistada até aqui trouxe resultados muito positivos para a sociedade brasileira", afirma o Dieese, que defende a remuneração básica como significativo "para reduzir a desigualdade de renda no País". 

"Com a quantia de R$ 954,00 determinada para janeiro de 2018, impõe-se ao salário mínimo perda acumulada de 0,34% nos últimos dois anos, o que o faz retornar praticamente ao mesmo valor real de janeiro de 2015", argumenta o órgão em nota.

Apesar da perda real, alguns Estados do País têm seus salários mínimos próprios e, consequentemente, maiores do que a regra geral nacional. Isso ocorre em São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Em dezembro, o próprio Dieese revelou que o salário mínimo ideal para os brasileiros deveria ser de R$ 3.585,05, valor 275% superior aos atuais R$ 954.

Até 2019, a variação do salário mínimo levará em conta a oscilação do INPC no ano anterior e o PIB (Produto Interno Bruto) — soma de todas as riquezas produzidos no País — de dois anos antes, conforme determina a Lei 13.152. Como a economia brasileira encolheu em 2016, o reajuste deste ano do mínimo teve como base apenas a inflação.

Fonte: R7


Haddad é mais rejeitado pelos eleitores que Bolsonaro, aponta Ibope

Entre os dois candidatos à Presidência da República que disputam o segundo turno, Fernando Haddad (PT) é o mais rejeitado, conforme demonstrou

Ibope para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 59%; Haddad, 41%

Jair Bolonsaro, candidato do PSL à Presidência da República, abriu 18 pontos de  vantagem em relação a Fernando Haddad (PT) na disputa em

Bolsonaro lidera com 59% dos votos válidos; Haddad tem 41%

O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, continua na liderança das intenções de voto para o segundo turno, segundo

Tribunal Superior Eleitoral tratará de fake news com WhatsApp

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai marcar uma reunião para os próximos dias com representantes do WhatsApp com o objetivo de discutir a

Igreja centenária amanhece pichada com suásticas

A centenária capela de São Pedro da Serra, em Nova Friburgo, cidade da Região Serrana distante 140 quilômetros da capital do Rio de Janeiro,

Ultimo dia para se inscrever no concurso do Banco do Nordeste

Taxa de inscrição tem o valor de R$ 59 para nível médio e R$ 67, para superior. As inscrições para o concurso do Banco do Nordeste terminam

'O eleitor decide o voto cada vez mais tarde', diz diretora do Ibope

Às 19h do domingo de eleições, assim que a votação acabou no Acre e a contagem de votos passou a ser acompanhada em todo o país, a pesquisa

Bolsonaro acusa Boulos e Gleisi de incitarem invasão em sua casa

Um vídeo feito durante uma manifestação contra  o candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSL),  na Avenida Paulista, nesta

Haddad vai explorar críticas de Bolsonaro ao Bolsa Família

A campanha de Fernando Haddad (PT) vai explorar contradições de propostas apresentadas por Jair Bolsonaro (PSL), ao destacar posições

Mulheres que não receberam voto dizem que não sabiam de candidatura

Mulheres que foram registradas como candidatas na eleição deste ano e não receberam nenhum voto dizem que não sequer sabiam que estavam

UAI Brasil
O teixeirão 2018
previcon
Connect Informática
Nossos Apoiadores: