Versão alternativa do texto prevê pensão integral para viúvas e viúvos de policiais mortos em serviço; meta é aprovar a reforma até o fim de fevereiro

A última mudança na proposta da reforma da Previdência que tramita na Câmara dos Deputados vai custar 400 milhões de reais em dez anos. O cálculo é da Secretaria de Previdência Social do Ministério da Fazenda. A alteração anunciada na quarta-feira pelo relator do texto, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), prevê pensão integral para viúvas e viúvos de policiais mortos em serviço.

Com a mudança, a economia de despesas prevista com a reforma no Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) – regime de previdência dos servidores públicos – cai de 88,1 bilhões de reais para 87,7 bilhões de reais em dez anos. Essa economia só leva em conta os gastos da União. Não está incluído o impacto da mudança nas finanças dos estados.

O governo incluiu essa medida na proposta de reforma para obter mais votos favoráveis à reforma da chamada Bancada da Bala. O relator disse, durante o anúncio, que é uma medida importante neste momento em que policiais têm morrido em ação por conta do aumento da criminalidade no Brasil.

A expectativa do governo e das lideranças da base no Congresso Nacional é de tentar votar a proposta até o dia 28 de fevereiro. Se não houver condições favoráveis, a estratégia é retirar a reforma da pauta na Câmara dos Deputados. A reforma da Previdência foi aprovada em maio por uma comissão especial sobre o tema, mas o governo busca apoio para aprovar a medida em plenário. Como é uma emenda à Constituição, também precisa passar pelo Senado, em dois turnos, e novamente pela Câmara.

Negociação

Na quinta-feira, o secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, disse que os próximos dias serão tomados por uma agenda “super intensa” de negociações com o Congresso e que telefonemas também deverão ser feitos a parlamentares mesmo durante o Carnaval com o objetivo de aprovar a proposta de emenda constitucional que muda as regras das aposentadorias.

“No Carnaval, acho que vai ter muito telefonema e logo na sequência se retoma o conjunto de conversas. Tem que ser uma agenda realmente bastante intensa nesses dias que se seguem para concretizar a aprovação da reforma”, comentou o secretário.

Caetano disse estar confiante na aprovação do texto. Disse que a reforma nas aposentadorias é necessária para reequilibrar as contas públicas e, como consequência, criar um ambiente melhor para o país ter taxas de juros mais baixas e atrair mais investimentos. Segundo o secretário, o problema da Previdência é estrutural e não de conjuntura.

Fonte: Veja

Ministro anuncia suspensão da reforma da Previdência

Carlos Marun, principal articulador de Temer para a reforma da Previdência, disse que há "insegurança jurídica" para votar medida em meio a

Câmara aprova decreto sobre intervenção militar no Rio

A Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta terça-feira, 20, o decreto que autoriza a intervenção federal na segurança pública do

Vídeo: Prefeito Manoelzinho responde às denúncias dos moradores de

Nova Viçosa: Na noite desta sexta-feira, 19 de fevereiro de 2018, o prefeito de Nova Viçosa, Manoel Costa Almeida (Manoelzinho da Madeira),

Valor médio do gás para botijão de cozinha é de R$ 23,16

Empresa passou a divulgar preço do gás a cada três meses, com o objetivo de reduzir a volatilidade do preço do produto A Petrobras informou

Nota Premiada Bahia divulga ganhadores

A próxima premiação está prevista para acontecer no dia 14 de março A Nota Premiada Bahia, do Governo do Estado, divulgou nesta quinta-feira

O que acontece se a Reforma da Previdência não passar?

Governo enfrenta dificuldades para conseguir apoio do número mínimo de deputados para que PEC seja aprovada Às vésperas da data limite para a

A NICA DA LIBERDADE 154

Ramiro Guedes Em Bodas de Sangue, peça de teatro de Federico Garcia Lorca, uma fala do personagem Leonardo: “Calar e queimar por dentro é o

Vídeo: Temóteo consegue investimento de R$ 2.600.000,00 com Governo

Teixeira de Freitas: No início da noite desta sexta-feira, dia 16 de fevereiro, o Prefeito Temóteo Alves de Brito recebeu o Secretário de

Relatora da intervenção no Rio aponta falta de dados no decreto

Escolhida para ser a relatora do decreto presidencial 9.288/2018, que formaliza a intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro, a deputada

Previdência: Maia já prepara um discurso para engavetar a reforma

O presidente da Câmara está descrente que o governo reunirá os 308 votos necessários para aprovar a proposta Descrente de que o governo reúna

Nossos Apoiadores: