Dez dias antes de Fernando Segovia, diretor-geral da Polícia Federal, declarar que não há indício de crime na investigação contra o presidente Michel Temer no chamado inquérito dos portos, os investigadores do caso pediram ao Supremo Tribunal Federal (STF) o compartilhamento de informações de investigações antigas para apurar "possíveis atos ilícitos" envolvendo a relação de pessoas investigadas.

O ofício, obtido pela Globonews, é de 30 de janeiro. No dia 9 de fevereiro, a agência Reuters publicou uma entrevista com Segóvia afirmando que o diretor-geral da Polícia Federal indicou tendência de arquivamento do inquérito dos portos por não haver, em sua avaliação, indício de crime nem de pagamento de propina.

A investigação ainda está em andamento. No ofício do dia 30 de janeiro, o delegado Wellington Santiago da Silva, responsável pelo grupo de inquérito do STF, solicitou ao ministro Marco Aurelio Mello o compartilhamento de informações de uma outra investigação, já arquivada em 2011, mas citada diversas vezes durante o presente inquérito.

De acordo com o texto do ofício, os investigadores querem acesso ao material para "fins de conhecimento das informações produzidas e eventual compartilhamento, uma vez que tais informações poderão auxiliar na compreensão das relações das pessoas investigadas" também no inquérito atual, sob relatoria do ministro Luís Roberto Barroso, "em especial possíveis atos ilícitos, vínculos com a Companhia Docas do Estado de São Paulo e também com a concessionária de exploração de terminais portuários, em Santos/SP".

O material arquivado investigou o possível envolvimento do atual presidente da República em suposto pagamento de propina no setor portuário.

O inquérito citava Temer e Marcelo Azeredo, ex-presidente da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), que havia sido indicado com apoio do PMDB.

No material estava uma planilha que, para os investigadores, fazia referência à distribuição de propina desviada de contratos do Porto de Santos.

Depoimentos

Os investigadores agendaram para esta quinta-feira, às 13 horas, o depoimento do empresário Joesley Batista, e, na sexta, às 14h30, a oitiva de Ricardo Saud, ex-executivo da JBS. Ambos estão presos.

Fonte: G1


Início dos trabalhos legislativos em Lajedão é marcado por posse

Lajedão: Na noite desta última segunda-feira (13), retornaram os trabalhos legislativos da Câmara Municipal de Vereadores da cidade de Lajedão,

Teixeira: Liminar suspende apreensão de veículos com atraso de IPVA

Após a liminar que suspendeu a cobrança de 80 por cento sobre as contas de água como taxa de esgoto, o juiz Roney Moreira, titular da Vara da

A NICA DA LIBERDADE 179

Ramiro Guedes DOLORES DURAN Deslumbrado, esse escriba termina a leitura de “Dolores Duran – A noite e as canções de uma mulher

Às vésperas da eleição, Temer vai facilitar renovação da CNH

O governo federal vai editar nos próximos dias uma medida provisória que facilita a renovação da carteira de habilitação, de acordo com a

Wagner receberá R$ 1,3 mi do fundo partidário para campanha

Tratadas como prioridade dentro do Partido dos Trabalhadores, as candidaturas ao Senado de Eduardo Suplicy (PT) e Jaques Wagner (PT) receberão uma

PF está pronta para assumir as investigações do caso Marielle

A Polícia Federal (PF) está pronta para assumir as investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson

Na presença de autoridades locais a Diocese de Teixeira/Caravelas

Teixeira de Freitas: Diocese de Teixeira de Freitas faz o lançamento da Campanha “Cidade Limpa”, o evento foi realizado no auditório Dom

Melhor prefeito do Brasil vai palestrar em Harvard

Sérgio Meneguelli é uma das personalidades públicas convidadas a fazer uma palestra na “Brazilian International Live Conference” (Brilive

MP move Ação Pública contra o prefeito Temóteo Brito por prática

Teixeira de Freitas: O Ministério Público do Estado da Bahia, na pessoa do Promotor de Justiça, Dr. George Elias Gonçalves Pereira, ajuizou uma

PF desloca 160 agentes para fazer segurança de presidenciáveis

Com 13 candidatos na disputa pela Presidência da República, a Polícia Federal (PF) encontrou dificuldades para garantir a segurança de todos

Nossos Apoiadores: