Dos 55 deputados federais alvo de inquéritos e ações penais na Operação Lava Jato, 50 (o equivalente a 91% do total) vão disputar as eleições deste ano, de acordo com levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo. A maior parte dos parlamentares (42) disse que disputará a reeleição; quatro pretendem concorrer a uma vaga no Senado; dois a governos estaduais; um ao Legislativo estadual e um à Presidência da República.

Três deputados não responderam ou estão indecisos, enquanto apenas dois disseram que não vão ser candidatos. Se eleitos para o Congresso, eles mantêm foro privilegiado para serem investigados e julgados em casos que tramitam no Supremo Tribunal Federal. Com o novo entendimento firmado pelo STF, no entanto, o foro para parlamentares federais só vale para crimes praticados no mandato e em função do exercício do cargo. Crimes comuns ocorridos antes de assumirem seus cargos ou sem ligação com os mandatos podem ser julgados por tribunais de primeira instância. 

Nesta terça-feira (15) o STF julgará o primeiro político com foro na Corte no âmbito da Lava Jato, quase dois anos após aceitar a denúncia da Procuradoria-Geral da República. Será o caso do deputado Nelson Meurer (PP-PR), réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele é um dos que responderam que não pretendem concorrer neste ano. Para o doutor em Ciência Política pela Universidade de Brasília (UnB) Leonardo Barreto, a mudança no entendimento do STF a respeito do foro traz mais celeridade no julgamento de crimes de corrupção.

Ele citou o mensalão, que levou cinco anos para começar a ser julgado. "Antes dessa decisão do STF, o foro era entendido como uma coisa boa para todo mundo. O Supremo não tinha capacidade para julgar, isso dava uma sensação de segurança (aos investigados) muito boa", afirmou Barreto. Desde a mudança de entendimento do STF, no início deste mês, ao menos 68 casos envolvendo deputados e senadores já foram enviados pela Corte para outras instâncias da Justiça. 

O líder do PSDB na Câmara, Nilson Leitão (MT), criticou o que chamou de "indústria das denúncias" e disse que a sigla não antecipa condenações sobre parlamentares investigados do partido. "Independentemente da Lava Jato, cada caso é um caso. O PSDB, com casos gritantes, sem sombra de dúvidas, tomará atitudes." Questionado sobre pré-candidatos petistas investigados na operação, o líder do partido na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), afirmou que "só em um Estado policial, investigado é tratado como culpado". Para ele, a Lava Jato é "uma manipulação conduzida de forma seletiva em esquemas suspeitos de toda ordem".

Fonte: Bahianoticias


Tarifas de pedágios da BA-093 aumentam a partir de segunda-feira

As tarifas do sistema da BA-093 terão aumento a partir de segunda-feira (12). O anúncio foi publicado no Diário Oficial do Estado de

Lula começa a dar primeiros sinais de tristeza na prisão

Preso desde 7 de abril deste ano, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva começa a dar os primeiros sinais de tristeza, segundo a coluna Radar,

Campanha online mobiliza mais de dois milhões contra reajuste dos

Mais de dois milhões de assinaturas já foram declaradas em uma campanha online contra o reajuste de 16,38% no salário dos ministros do Supremo

Presidente da Câmara de Vereadores entrega dois novos prédios

O presidente da Câmara Municipal de Teixeira de Freitas, vereador “Agnaldo da Saúde” (PR) entregou oficialmente na manhã desta sexta-feira

Projeto Executivo do PAC 2 é apresentado aos lojistas do Shopping

Teixeira de Freitas: Na tarde desta quinta-feira, dia 8 de novembro, os lojistas e a equipe administrativa do Shopping Teixeira Mall foram

Governo: Bolsonaro terá 6.099 cargos para nomear sem concurso

Cargos comissionados têm a função de permitir a contratação de 'pessoas com competências que não podem ser medidas em concursos públicos', de

Vice-governador de MG e Joesley Batista são presos em operação

Antonio Andrade é acusado de participar de esquema de pagamento de propina durante período em que foi ministro da Agricultura, no governo Dilma

Bahia tem aumento de 57 mil pessoas que trabalham nas ruas

A Bahia apresentou um aumento de 57 mil pessoas que trabalham nas ruas em 2017, segundo aponta a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

A NICA LIBERDADE 190

Ramiro Guedes O PREFEITO GRACILIANO RAMOS O escritor Graciliano Ramos teve uma passagem pela política quando foi prefeito de Palmeira dos

Reajuste de ministros do Supremo custará R$ 4,1 bilhões

Reajuste para os vencimentos de ministros do Supremo e do procurador-geral da República, aprovado pelo Senado, afetará diretamente o próximo

UAI Brasil
O teixeirão 2018
previcon
Connect Informática
Nossos Apoiadores: