Candidato do PSDB já foi prejudicado pela prática, mas agora tucanos dizem que 'votar em Bolsonaro é eleger o PT'. A estratégia é mostrar que Alckmin tem mais chances de vencer o PT no 2º turno. Nos últimos dias, Geraldo Alckmin (PSDB) passou a defender o voto útil como uma forma de chegar ao segundo turno, embora já tenha sido um crítico da prática. "Falar em voto útil é ser contra a democracia, porque evita o debate de ideias e tira do eleitor o direito de comparar as propostas dos candidatos", declarou o tucano, em agosto de 2000, quando era candidato a prefeito de São Paulo.

Hoje os tucanos são grandes entusiastas do voto útil, dizendo que "votar em Bolsonaro é eleger o PT". A ideia que passaram a defender é a de que Alckmin tem mais chances de vencer o PT no segundo turno que o candidato do PSL, Jair Bolsonaro. Segundo o presidenciável do PSDB, Bolsonaro é o "passaporte para a volta do PT".

As declarações têm como base as pesquisas de intenção de voto que o apontam com uma vantagem maior que o candidato do PSL na disputa contra o petista, Fernando Haddad, no segundo turno. De acordo com o último Datafolha, na disputa contra Fernando Haddad (PT), o tucano tem 43% das intenções de voto, contra 29% – uma diferença de 14 pontos porcentuais. Já Bolsonaro, na disputa com o PT, empata com Haddad, com o petista numericamente à frente dele (39% a 38%).

Alckmin mudou de opinião em relação ao voto útil, mesmo tendo sido prejudicado por esse tipo de campanha na eleição municipal de 2000. À época, ele era alvo de pedidos de voto útil, feitos pela candidata do PT, Marta Suplicy, que estava em primeiro lugar na disputa. Marta focava nos eleitores que rejeitavam o então candidato do PPB e ex-prefeito paulistano, Paulo Maluf, e que temiam, num segundo turno, a vitória dele em razão da rejeição ao PT. Marta passou a dizer que ela tinha condições de vencer a campanha já no primeiro turno e começou a pedir o voto daqueles que pretendiam escolher Alckmin. A estratégia não deu muito certo. Ela não teve votos suficientes para evitar o segundo turno. Teve de enfrentar – e derrotar – Maluf. Alckmin foi o grande lesado por essa estratégia do PT. Ficou em terceiro lugar, perdendo para Maluf a vaga no segundo turno por menos de 8 mil votos. Talvez, se a campanha pelo voto útil não tivesse ocorrido, com Marta recebendo parte dos seus votos, o tucano tivesse passado para a segunda etapa da eleição.

Pela esquerda, Ciro Gomes (PDT) também tem sido um defensor do voto útil, ao dizer que é o candidato com maiores condições de derrotar Bolsonaro no segundo turno. Pretende, assim, pegar votos de simpatizantes do PT que temem a eleição do candidato do PSL. Assim como Alckmin, ele também se ampara nas pesquisas que o mostram com 45% dos votos contra 35% de Bolsonaro no segundo turno - Haddad empata com o candidato do PSL.

 

Editoria de Arte/G1


Bahia tem a gasolina mais cara do Nordeste e a sexta mais cara do

Um levantamento feito pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) constatou que a Bahia possui a gasolina mais cara do nordeste, valendo em média R$

A NICA DA LIBERDADE 184

Ramiro Guedes ESCLARECIMENTO Esse escriba esclarece a seus parcos leitores que tem, sistematicamente, atrasado a entrega dessas mal traçadas. O

CNBB reúne presidenciáveis para debate na basílica em Aparecida

Sabatina será na noite desta quinta-feira (20) e vai reunir sete candidatos. Evento organizado pela Igreja Católica vai ser transmitido pelas

Proposta dos economistas dos presidenciáveis para 5 temas:

Assessores econômicos responderam sobre motor do crescimento, metas e comércio internacional; G1 publica série sobre propostas das campanhas para

Pesquisa Datafolha de 20 de setembro para presidente por sexo, idade,

Confira os números da pesquisa por segmento. Levantamento foi feito nos dias 18 e 19 de setembro e ouviu 8.601 eleitores em 323 municípios.

Pesquisa Datafolha no Rio de Janeiro: Paes, 22%; Romário, 14%;

Índio tem 7%; Tarcísio Motta, 6%; Wilson Witzel, 4%; Marcia Tiburi, 3%; Pedro Fernandes, 2%; André Monteiro, Dayse Oliveira e Marcelo Trindade,

Pesquisa Datafolha para presidente: Bolsonaro, 28%; Haddad, 16%;

João Amoêdo (Novo) e Alvaro Dias (Podemos) têm 3% cada um; e Henrique Meirelles (MDB), 2%; Vera (PSTU) e Guilherme Boulos (PSOL), 1% cada um.

Ciro fará giro pelo Nordeste para recuperar espaço perdido para

O candidato do PDT, Ciro Gomes, fará um giro por pelo menos cinco estados do Nordeste na próxima semana. A estratégia é recuperar o espaço

Doria diz que pretende estender projeto Cidade Linda para outras

Candidato ao governo visitou praça no Morumbi, Zona Sul da capital e falou sobre parceria público-privada. João Doria faz campanha na Zona Sul de

STJ nega arquivamento de ação que investiga amigo de Lula no caso

Advogado Roberto Teixeira solicitou que apurações sobre suposta lavagem de dinheiro fossem arquivadas. Segundo Ministério Público, ele

Nossos Apoiadores: