O candidato Geraldo Alckmin (PSDB) participou de uma sabatina dos jornais "O Globo", "Valor Econômico" e da revista "Época"

Reprodução/Facebook

O candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, disse nesta quinta-feira (13) que seu partido não tem "nada a ver" com o governo Michel Temer. Ele ainda classificou a gestão de Temer à frente do país de "muito ruim".

Alckmin participou, no Rio de Janeiro, de uma sabatina organizada pelos jornais "O Globo", "Valor Econômico" e pela revista "Época".

O PSDB foi um dos partidos que, em 2016, apoiaram o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). A sigla também fez parte da equipe ministerial de Temer. No final de 2017, o partido oficializou a saída do governo.

Atualmente, um ministro é do PSDB, Aloysio Nunes, das Relações Exteriores, que preferiu se manter no cargo mesmo após o rompiemnto do partido com o Palácio do Planalto.

"[Aloysio Nunes] Está lá em caráter pessoal. O PSDB não tem nada a ver com esse governo", afirmou Alckmin na sabatina.

Ele disse ainda que sempre foi contra a participação do partido na gestão Temer.

"No PSDB, eu fui contra entrar no governo. Totalmente contra. O que eu defendia na época: devemos aprovar as medidas de interesse do país. Não precisamos ter ministério para isso", completou o candidato.

Em outros momentos da campanha eleitoral Alckmin já fez críticas ao governo Temer. O empenho do candidato em descolar a imagem de seu partido da atual gestão do Palácio do Planalto gerou reação por parte de Temer. O presidente gravou vídeos para ressaltar que o PSDB fez parte do governo.

Operação contra políticos do PSDB

Alckmin foi questioando sobre operações policiais nesta semana que tiveram como alvos políticos do PSDB.

No primeiro caso, na terça-feira (11), uma operação do Ministério Público do Paraná prendeu o ex-governador e candidato ao Senado Beto Richa. No mesmo dia, ele foi alvo de buscas da Lava Jato. Na quarta (12), uma operação da Polícia Federal fez buscas e apreensões na casa do governador Reinaldo Azambuja, do Mato Grosso do Sul.

"O que todos queremos e a sociedade quer é que se investigue, se apure, se puna os cuplados e se absolva os inocentes. Isso vale para todo mundo. Cabe a eles se explicar. Vida pública é pública. As instituições devem funcionar", afirmou Alckmin.

O candidato disse ainda que todos os partidos têm problemas e que, se não for feita uma reforma política, continuará havendo casos de corrupção.

"Todos os partidos estão fragilizados, inclusive o meu. Quando você tem 35 partidos, se não fizer reforma política, vai ter Lava Jato no futuro. O sistema está exaurido", completou.


Gestação e trabalho. Quais são os direitos das gestantes?

Quando uma mulher recebe a notícia de que esta grávida, por mais alegria que isto possa lhe trazer, surgem também algumas preocupações. O

Saiba como o Bolsa Família ajuda na cura da tuberculose

A pesquisa acompanhou os doentes antes, durante e depois do tratamento A tuberculose atinge cerca de 70 mil pessoas por ano no Brasil, de acordo

STF suspende investigação de ex-assessor de Flávio Bolsonaro

Segundo o órgão, o procedimento investigatório está suspenso até que o relator da reclamação, Marco Aurélio Mello, se pronuncie O

PIS/Pasep começa a ser pago nesta quinta

Benefício será pago a trabalhador do setor privado nascido em janeiro e fevereiro e a servidor público com Pasep final 5. Valor pode chegar a R$

Temóteo Brito entrega equipamentos para a Assistência Social

O prefeito de Teixeira de Freitas, Temóteo Brito, entregou na manhã desta quarta-feira (16), 231 novos equipamentos para fortalecer a estrutura

Governo aumenta valor de auxílio-reclusão e salário-família

Teto do benefício para presos passou de R$ 1.319,18 para R$ 1.364,43, com aumento de R$ 45,25. Portaria foi publicada no Diário Oficial da

Mais de 200 mil títulos de eleitor podem ser cancelados na Bahia

Saiba o que fazer para não perder seu título A partir do dia 23 de fevereiro, o Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) pode cancelar mais

Juízes fazem dossiê para rebater Bolsonaro e blindar a Justiça

Bolsonaro acenou com a possibilidade de acabar com a Justiça do Trabalho A Associação Juízes para a Democracia (AJD), entidade não

Seis pontos mal explicados no decreto pró-armas de Bolsonaro

Afrouxamento nos requisitos para registro abre espaço para arsenal ilimitado, corrupção policial e explosão na taxa de acidentes domésticos O

ACM Neto defende que Maia continue a negociar com PT

Apesar da resistência dos petistas ao nome de Rodrigo Maia (DEM) à presidência da Câmara dos Deputados, o presidente nacional do DEM, o

UAI Brasil
O teixeirão 2018
Connect Informática
Nossos Apoiadores: