Estratégia do futuro ministro da Economia é adiar o aumento salarial em 2019 e se manter 'linha-dura' nas negociações seguintes

A equipe do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), pretende ser linha-dura nas negociações de reajuste dos salários dos servidores públicos. A estratégia é conseguir não só o adiamento do reajuste dos servidores de 2019 para 2020, como também restringir aumentos nos anos seguintes do mandato, segundo apurou o Estadão/Broadcast.

A intenção é conceder "nada além" do que a legislação obriga. A folha de pessoal é a segunda maior despesa do Orçamento, depois dos benefícios previdenciários, e o item dos gastos obrigatórios onde há margem de manobra para cortes.

O governo de transição articula nos bastidores a aprovação da medida provisória (MP) que adia o reajuste, encaminhada em setembro pelo governo Michel Temer. A aprovação é um dos itens prioritários na agenda de interesse do novo governo com o Congresso. Um integrante da equipe de transição de Bolsonaro informou que os salários de categorias mais elevadas são altos e há espaço para a contenção de gastos nessa rubrica orçamentária.

A prioridade zero da equipe do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, é "cortar, cortar, cortar" as despesas, disse a fonte. Para acelerar o ajuste, o time da transição avança na elaboração de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) com instrumentos para desamarrar o Orçamento das diversas vinculações. O governo só pode dispor livremente de 7,1% das despesas previstas no Orçamento de 2019, o primeiro do próximo presidente.

Gatilhos

A equipe de Bolsonaro também conta como aliados os gatilhos que podem ser acionados em caso de descumprimento do teto de gastos. A emenda constitucional que criou o limitador de despesas prevê uma série de ações a serem adotadas, como a proibição de reajuste salarial, criação de cargos e concessão de novas renúncias. O risco de estouro do teto não é visto como algo tão grave num contexto em que as medidas forem sendo adotadas. O importante, na visão da equipe, é o efeito "econômico" da política que for adotada.

É nesse cenário que se insere a necessidade de pagamento à Petrobrás do valor devido pela União na revisão do contrato de cessão onerosa de exploração do pré-sal para abrir caminho ao megaleilão que pode render R$ 100 bilhões.

O grupo da transição recebeu informações de que o Tesouro pode ficar com pelo menos R$ 60 bilhões do resultado do leilão, após pagar a Petrobrás. O problema é que o teto de gasto não comporta o pagamento bilionário à estatal, de teria de ser registrado no Orçamento.

A equipe defende que não seja feita nenhuma manobra para escapar do teto, mesmo que para isso ele seja descumprido, o que acionaria os gatilhos, considerados importantes "armas" para o ajuste fiscal.

O leilão na área de telecomunicações (5G de telefonia celular) também é considerado importante fonte de recursos.

Sem consenso

A equipe de transição do presidente eleito, Jair Bolsonaro, tem visões bastante diferentes para as propostas de reforma de Previdência e tributária. Ao longo da campanha, o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, estimulou o debate interno no grupo de conselheiros que agora estão na transição. Essa forma de trabalhar é característica de Guedes, que quer reformas mais profundas para "consertar o que está errado" na sua avaliação.

Mas a necessidade de "mostrar serviço" nos primeiros seis meses, sob o risco de pôr em perigo o sucesso do governo Bolsonaro já no primeiro ano, pode levar à adoção de saídas pragmáticas, segundo fontes da transição.

Isso vale para a reforma da Previdência, com Bolsonaro tentando agora aprovar a proposta de Michel Temer com modificações, e também para a tributária. Não se descarta nem mesmo aproveitar, no início, a proposta da Receita Federal (com novos ajustes) de reforma do PIS/Cofins que está pronta e é necessária para evitar perdas de arrecadação com duas decisões da Justiça desfavoráveis à Fazenda Nacional. O grupo reconhece que é mais fácil avançar no Imposto de Valor Agregado (IVA) federal com reforma do PIS e do Cofins do que incluir os Estados no novo tributo.

Estados

A equipe de Bolsonaro vê com grande preocupação a situação financeira dos Estados, mas ainda mapeia as soluções que podem ser adotadas, porque cada ente tem suas particularidades. O time já foi alertado pelos problemas pelo secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, cotado para ficar no cargo e único da equipe econômica que participou ontem de parte da primeira reunião de Guedes com o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia.

Fonte: Estadão Conteúdo


Grupos pró-imigração criticam proposta de Trump

Proposta do presidente dos EUA para resolver paralisação parcial do governo foi duramente criticada por organizações de defesa dos

Bolsonaro faz estreia em Davos

Presidente viaja neste domingo para a Suíça, onde participará do tradicional encontro de líderes políticos e investidores. Temer, Dilma, Lula e

Gestação e trabalho. Quais são os direitos das gestantes?

Quando uma mulher recebe a notícia de que esta grávida, por mais alegria que isto possa lhe trazer, surgem também algumas preocupações. O

Saiba como o Bolsa Família ajuda na cura da tuberculose

A pesquisa acompanhou os doentes antes, durante e depois do tratamento A tuberculose atinge cerca de 70 mil pessoas por ano no Brasil, de acordo

STF suspende investigação de ex-assessor de Flávio Bolsonaro

Segundo o órgão, o procedimento investigatório está suspenso até que o relator da reclamação, Marco Aurélio Mello, se pronuncie O

PIS/Pasep começa a ser pago nesta quinta

Benefício será pago a trabalhador do setor privado nascido em janeiro e fevereiro e a servidor público com Pasep final 5. Valor pode chegar a R$

Temóteo Brito entrega equipamentos para a Assistência Social

O prefeito de Teixeira de Freitas, Temóteo Brito, entregou na manhã desta quarta-feira (16), 231 novos equipamentos para fortalecer a estrutura

Governo aumenta valor de auxílio-reclusão e salário-família

Teto do benefício para presos passou de R$ 1.319,18 para R$ 1.364,43, com aumento de R$ 45,25. Portaria foi publicada no Diário Oficial da

Mais de 200 mil títulos de eleitor podem ser cancelados na Bahia

Saiba o que fazer para não perder seu título A partir do dia 23 de fevereiro, o Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) pode cancelar mais

Juízes fazem dossiê para rebater Bolsonaro e blindar a Justiça

Bolsonaro acenou com a possibilidade de acabar com a Justiça do Trabalho A Associação Juízes para a Democracia (AJD), entidade não

UAI Brasil
O teixeirão 2018
Connect Informática
Nossos Apoiadores: