O superintendente de Previdência do Estado da Bahia, Eduardo Matta, afirma que o déficit da Previdência Social estadual deve chegar a R$ 4,8 bilhões neste ano de 2020. No entanto, caso a reforma previdenciária seja aprovada na Assembleia Legislativa (AL-BA), poderá ocorrer uma economia de R$ 800 milhões até dezembro.

Durante entrevista concedida ao programa Isso é Bahia, na Rádio A TARDE FM, o superintendente falou de alguns pontos previstos na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 158/2019. Entre eles, está a regra de transição mais alongada, "para que o servidor tenha uma transição mais suave". "Foram abrandados vários pontos, não há obrigatoriedade de seguir as mesmas regras da reforma do governo federal", disse Matta.

A PEC prevê mudança na alíquota que é descontada no contracheque do servidor. "A alíquota já era de 14%, será mantida com acréscimo de 1%, portanto 15%, para quem receber salário acima de R$ 10 mil".

Com a reforma, o servidor aposentado ou pensionista passará a contribuir com a previdência baiana. Entretanto, haverá isenção para quem recebe o equivalente a até três salários mínimos.

Matta não quis indicar uma previsão de aprovação da PEC na AL-BA, pois a tramitação do texto foi suspensa por decisão liminar expedida pela Justiça no último sábado, 11. O superintendente disse que o governo vai recorrer contra a decisão.

Em nota divulgada neste domingo, 12, o governo estadual reiterou que a não aprovação da reforma previdenciária poderá deixar o Estado inadimplente com o governo federal, sem poder receber investimentos da União ou contrair novos empréstimos.

Confira abaixo o comunicado do governo:

Entenda porque é urgente para a Bahia fazer ajustes na previdência

Em carta aberta divulgada no início do mês, 15 entidades sindicais que representam o funcionalismo público reconhecem que o Governo do Estado é obrigado por lei federal a fazer ajustes na previdência estadual. Este ponto está superado até mesmo para quem se posiciona contra alguns pontos da Proposta de Emenda Constitucional elaborada pela equipe do governador Rui Costa, a PEC 158. O que parte dos sindicalistas talvez ainda não tenha entendido é o risco que o atraso na aprovação da PEC oferece à sociedade e ao próprio funcionalismo.

A primeira consequência da não aprovação da reforma é que a Bahia ficará inadimplente com o Governo Federal, ou seja, o Governo do Estado deixará de receber investimentos da União e não poderá contrair novos empréstimos. Automaticamente, obras poderão ser paralisadas ou nem mesmo terão início. Áreas fundamentais como saúde, infraestrutura, educação e segurança ficarão comprometidas. Além disso, a taxa de desemprego tende a aumentar no estado, sobretudo no interior.

Outra grave consequência é o aumento do rombo da previdência estadual. O Governo do Estado tem retirado um volume cada vez maior de recursos do orçamento para pagar aposentados e pensionistas, cobrindo assim o chamado déficit da previdência. Este dinheiro poderia ser aplicado em obras e ações. Se a PEC não for aprovada com urgência, a cada novo ano, muito mais dinheiro público será utilizado para pagar aposentados do Estado. A Bahia chegou ao fim de 2019 com um déficit previdenciário de R$ 4,3 bilhões. A cifra deve chegar aos R$ 4,8 bilhões este ano.

Também é possível prever um cenário ainda mais crítico para o próprio funcionalismo a curto prazo. A Bahia ainda goza de equilíbrio fiscal e tem feito o pagamento rigorosamente em dia de salários e benefícios para todas as categorias, na contramão do resto do país. Não há garantia que este quadro de estabilidade se mantenha, caso a reforma não seja aprovada na Assembleia Legislativa da Bahia.

Dos 27 estados brasileiros, 20 já encaminharam propostas para se adequar ao novo modelo de previdência; 13 delas já foram aprovadas. Se por um lado, fazer a reforma na Bahia é urgente, por outro também é possível dizer que ela é mais branda que a definida pelo governo federal.

Fonte: Atarde


Bolsonaro embarca hoje para visita oficial à Índia

Presidente é convidado especial para comemorações do Dia da República O presidente Jair Bolsonaro embarca, na manhã de hoje (23), para a

Lei anticrime entra em vigor e pena máxima vai a 40 anos

Tempo de cumprimento foi uma das alterações de projeto da Câmara que aproveitou sugestões de Moro; texto muda saidinhas e progressão de

Rui Costa retorna aos trabalhos na Governadoria após cirurgia

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), retornou, nesta terça-feira (21), aos trabalhos na Governadoria, no Centro Administrativa da Bahia (CAB),

Regina Duarte aceita convite para 'período de testes' na Cultura

A atriz Regina Duarte aceitou nesta segunda-feira (20) a indicação para a Secretaria Especial de Cultura do governo de Jair Bolsonaro. Ela disse

"Políticos viraram chave de porta de cadeia", afirma Jaques Wagner

O senador Jaques Wagner (PT) fez um desabafo na porta da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia, nesta quinta-feira, 16, ao ser

Toffoli suspende aplicação do juiz de garantias por 180 dias

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, suspendeu nesta quarta-feira (15) a aplicação do chamado juiz de garantias

Grupo faz mobilização contra reforma da Previdência na Bahia

Na manhã desta segunda-feira, 13, aconteceu uma mobilização contrária à reforma da Previdência Social dos servidores públicos civis do

A NICA DA LIBERDADE 219

Ramiro Guedes O TEMPO Depois de um severo ataque de herpes e um exaustivo início de pneumonia, esse humílimo escriba volta às lides niqueanas.

Empossados os novos conselheiros tutelares de Caravelas

Caravelas: Flávia Paixão, Rosalva Rodrigues, Ivo Affonso, Kivia da Cruz e Talita Barros (titulares) e Ivete Oliveira, Jailton, Mayck, Alessandra

Rui Costa pede urgência na tramitação da Previdência

Foi publicado no Diário Oficial da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) de quinta-feira, 9, o pedido de urgência para tramitação do projeto

Nossos Apoiadores: