Esses medicamentos ampliam as opções para tratar diferentes tipos de câncer.

Quatro novos medicamentos foram aprovados nesta terça-feira 26 de dezembro de 2017 pela Anvisa. Os produtos são inéditos no país e ampliam as variedades para o tratamento de diferentes tipos de câncer.

Os novos medicamentos são a lenalidomida, o durvalumabe, o olaratumabe e o netupitanto associado com a palonosetrona. Os produtos chegarão ao mercado de acordo com a programação de cada fabricante.

Confira abaixo os novos tratamentos para o câncer aprovados pela Anvisa, indicações e características.

Revlimid® (Lenalidomida)

O medicamento é indicado, em combinação com a dexametasona, para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo refratário ou recidivado que já tenham recebido pelo menos um tratamento anterior. A lenalidomida também é indicada para pacientes com anemia dependente de transfusões decorrentes de síndrome mielodisplásica.

O Revlimid foi registrado na forma de cápsulas nas concentrações de 2,5mg, 5 mg, 10 mg e 25mg. O produto será fabricado pela empresa Celgene International, localizada na Suiça. O dono do registro no Brasil é a Celgene Brasil Produtos Farmacêuticos Ltda.

Controle especial: Antes de registrar a lenalidomida, a Anvisa definiu regras específicas para o seu controle, pois este medicamento pode provocar malformação congênita grave. Ou seja, o uso pode levar ao nascimento de bebês malformados e também à morte dos recém-nascidos. Esses efeitos são chamados de teratogênicos.

Akynzeo (netupitanto + palonosetrona)

O netupitanto + palonosetrona foi registrado com o nome comercial de Akynzeo. Este novo medicamento é indicado para a prevenção de náuseas e vômitos agudos ou tardios em pacientes que estão passando por quimioterapia.

As náuseas e vômitos são efeitos colaterais comuns que dificultam o tratamento do câncer. Entre os problemas estão: Deficiência nutricional, ansiedade e depressão, redução da dose do medicamento e até mesmo interrupção do tratamento. Por isso, a eliminação de náuses e vômitos durante tratamentos quimioterápicos é fundamental para que o paciente tenha melhores chances de cura.

Indicação do Akynzeo: Prevenção de náusea e vômitos agudos ou tardios associados com quimioterapia antineoplásica altamente emetogênica baseada em cisplatina ou associados com quimioterapia antineoplásica moderadamente emetogênica.

O medicamento será fabricado pela empresa Helsinn Birex Pharmaceuticals Ltda, localizada em Damastown, na Irlanda, e a detentora do registro do medicamento no Brasil é a empresa Mundipharma Brasil Produtos Médicos e Farmacêuticos LTDA.

Imfinzi (durvalumabe)

O durvalumabe foi aprovado com indicação para o tratamento de pacientes com carcinoma urotelial localmente avançado ou metastático que tiveram prograssão da doença durante ou após a quimoterapia à base de platina. O produto também é indicado para pacientes que tiveram progressão da doenças em até 12 meses de tratamento neoadjuvante ou adjuvante com quimioterapia contendo platina.

O Imfinzi foi registrado com o produto biológico novo pelo laboratório farmacêutico Astrazeneca do Brasil Ltda.

Como funciona o durvalumabe: O medicamento é um imunoterápico constituído por anticorpo monoclonal humano (mAb) que se liga ao PD-L1 e bloqueia sua interação com o PD-1 nas células T e CD80 nas células imunes. Tal mecanismo antagoniza o efeito inibitório de PD-L1 nas células T humanas primárias, resultando na proliferação restaurada e liberação da interferona gama. A expressão de PD-L1 é uma resposta adaptativa que ajuda os tumores a evitar a detecção e eliminação pelo sistema imunológico, visto que a ligação de PD-L1 ao PD-1 nas células T ativadas libera um sinal inibitório às células T, protegendo assim o tumor da eliminação imunológica. PD-L1 também pode inibir as células T através da ligação ao CD80.

Lartruvo (olaratumabe)

Este também é um produto biológico novo indicado para pacientes com sarcoma de tecido mole avançado, que não podem fazer radioterapia ou passar por cirurgia e que não foram previamente tratados com antraciclínicos.

O produto foi registrado pela Eli Lilly do Brasil Ltda.

Como funciona o olaratumabe: O medicamento é um anticorpo monoclonal que reconhece e liga-se especificamente a uma proteína conhecida como receptor-a do fator de crescimento derivado das plaquetas (PDGFR-a). O PDGFR-a encontra-se em grandes quantidades em algumas células cancerígenas, nas quais estimula o crescimento e divisão das células. Quando olaratumabe se liga ao PDGFR-a, pode impedir o crescimento e a sobrevivência das células cancerígenas.

Com informações: Ascom/ Anvisa

MG decreta emergência em 94 municípios por febre amarela

O governo do Estado de Minas Gerais decretou estado de emergência de saúde pública em 94 municípios em razão da febre amarela. A medida,

2 mortes confirmadas por reação à vacina de febre amarela

Idosa de 76 anos e homem que ainda não teve identidade revelada morreram após a vacina. Outras três mortes estão em investigação. A cidade

Febre amarela, devo me vacinar? Veja o que é recomendado

Novos casos têm provocado longas filas nos postos de saúde. Veja para quem há recomendação de se vacinar. Com a notícia de novos casos de

Temóteo Brito faz entrega de centenas de óculos e próteses

Teixeira de Freitas: Centenas de pessoas receberam seus óculos e próteses dentárias na manhã desta quinta-feira, 18 de janeiro, em uma

Alcobaça vai realizar mais um mutirão de glaucoma

Será no próximo dia 1º de fevereiro. Os médicos - e toda a estrutura necessária para a análise e o diagnóstico da doença - estarão

Nova norma: cigarros devem ser vendidos longe de doces e brinquedos

O texto deverá ser publicado no Diário Oficial nos próximos dias A Diretoria Colegiada da Anvisa aprovou na última terça feira, uma

Teste em tempo real para HPV passa a ser feito pelo SUS na Bahia 

Exame para detecção do vírus será realizado no Lacen-BA  O teste em tempo real para detecção do vírus papiloma humano (HPV) já pode ser

Equilíbrios físico e mental: saiba mais sobre o Pilates

Método pode ser utilizado por diversos públicos e no atendimento de diferentes objetivos. Aliado na busca por um corpo equilibrado, forte e

Diagnóstico de Câncer já é coberto por seguro

Poucas palavras assustam mais as pessoas que “câncer”, doença que até a década passada tinha o peso de uma sentença de morte. Do início

Febre amarela: ministério registra 35 casos e 20 mortes no Brasil

Em meio ano, 20 pessoas morreram. Dados do Ministério da Saúde consideram meses de julho do ano passado a janeiro deste ano. SP e MG têm maior

Lecão natal
Casa das Correias
previcon
Connect Informática
Pitagoras Connect
Nossos Apoiadores: