Antes com 130 quilos, garota de 24 anos decidiu emagrecer com musculação e sem ajuda de remédios ou cirurgia. Meta é chegar à metade do que pesava e entrar em roupa “colada ao corpo”.

Depois de uma vida inteira dedicada aos prazeres da mesa e sem se importar com o inevitável reflexo na balança, a estudante de Boraceia (SP) Luziene Aparecida Ferreira, de 24 anos, tomou uma decisão há menos de um ano que já a fez perder 51 quilos.

A luta para emagrecer e os resultados tornaram a estudante conhecida na pequena cidade de pouco mais de 4 mil habitantes no interior de São Paulo. O G1 acompanhou um dia de Luziene, que chegou a pesar 130 quilos, na academia.

Em estado de obesidade mórbida, e pressionada pela aproximação de sua formatura no curso de pedagogia, prevista para o fim deste ano, Luziene decidiu em fevereiro de 2017 que iria perder nada menos que metade de seu peso.

“Tudo isso começou quando parei para pensar que minha formatura estava chegando. Eu decidi que queria chegar melhor para poder entrar naqueles vestidos bonitos que as formandas usam. E, para isso, precisaria mudar totalmente meu estilo de vida”, conta a estudante.

Decisão tomada, Luziene também se empenhou em não buscar soluções milagrosas, nem remédios ou intervenções cirúrgicas, do tipo bariátrica.

Ela conta que fechou a boca, adotou a reeducação alimentar como religião e recorreu aos exercícios físicos como uma atividade diária quase que obrigatória.

Passado quase um ano deste “pacote” de decisões, o resultado apareceu na silhueta e especialmente na balança. Luziene pesa hoje 79 quilos, ou seja, um emagrecimento de 51 quilos.

Como sua meta inicial era a de perder metade do peso que havia construído desde a infância, ainda faltam 14 quilos para a estudante chegar àquela condição que ela considera o ideal: 65 kg.

Receita do sucesso: Luziene conta que a mudança de hábitos que adotou foi focada justamente em duas áreas em que ela negligenciava: a alimentação e a atividade física – ela afirma que comia demais e era sedentária.

Criada em uma família com vários casos de obesidade, a alimentação da estudante era baseada em guloseimas em quantidades exageradas. Refeições como café da manhã e jantar eram facilmente substituídas por um pacote de biscoitos recheados.

“Hoje eu como muito proteína para ajudar a ganhar massa magra, arroz integral, saladas, frutas. Ou seja, tudo que seja diet e não faça mal, e com horário controlado para tudo isso”, explica.

Momento de fraqueza

Mas a caminhada de Luziene em busca de uma alimentação saudável também teve percalços. Logo no início, quando já havia perdido 25 quilos, a estudante admite que chegou a fraquejar pela “demora” em atingir os resultados.

Por isso, começou a buscar ajuda de remédios que acelerassem o processo de emagrecimento. Só não cedeu à tentação graças à ajuda de uma de suas professoras, Cássia Aparecida Magna, que a convenceu dos malefícios desse recurso.

“Esse foi o único momento em que pensei em tomar remédios, mas essa pessoa especial estava ao meu lado nesse momento de fraqueza e me aconselhou a seguir em frente com meus exercícios. Ela me convenceu que remédios desse tipo não fazem bem e por isso sou muito grata a ela”, destaca Luziene.

Esforço “inspirador”

Além da alimentação controlada, a atividade física em academia e com orientação também tem tido papel fundamental no processo de perda de peso da estudante.

Carlos Ortolani, um dos professores de educação física que acompanham Luziene, diz que a luta da estudante inspira e incentiva a todos na academia.

“A Luziene é uma aluna dedicada, exemplar, ela nos inspira nessa sua luta para poder entrar no vestido da formatura. Desde o começo ela vem tendo resultados e todos os alunos ao verem isso acabam se inspirando nela”, conta Ortolani.

O profissional de educação física destaca que o foco do treinamento da Luziene está na musculação que, segundo ele, tem papel decisivo no processo de perda de peso.

Com a nova silhueta, Luziene admite que não tem mais no espelho um inimigo e que já iniciou as pesquisas para seu vestido de formatura, com opções de alguns do tipo “colado ao corpo”.

“Eu tinha vergonha de me olhar no espelho e agora não tenho mais. Agora, já me olho e falo: ‘Tô bem, tô tranquila’. No começo é difícil, mas com o tempo a gente se acostuma com a nova rotina e agora eu quero cada vez mais”, diz a estudante.

A estudante conta que, agora, deu início a uma nova luta em seu processo em busca do corpo ideal.

Com a grande perde de peso, Luziene tenta viabilizar, através do SUS (Sistema Único de Saúde), uma cirurgia para a retirada das sobras de pele. O procedimento é garantido a pacientes que se submetem a cirurgia bariátrica pelo sistema público.

Fonte: Bem Estar/G1

Número de embriões humanos congelados cresce 17% no Brasil

O Brasil registrou crescimento de cerca de 17% no número de embriões humanos produzidos pelas técnicas de fertilização in vitro

Alcobaça lança “Consultório Móvel” para atender comunidades

Alcobaça: O anúncio oficial foi feito nesta quinta-feira (17), quando já foram realizados os atendimentos na Comunidade Pequi (localidade

Número de casos de H1N1 sobe 14% na Bahia em seis dias

Em seis dias, os casos confirmados de H1N1 subiu de 100 para 114 na Bahia. O avanço representa um aumento de 14%, segundo dados divulgados pela

Recém-nascida de 6 quilos chama a atenção de médicos em MG

Um parto ocorrido na maternidade da Santa Casa de Misericórdia e Hospital São Vicente de Paulo em Porteirinha, no Norte Minas, surpreendeu e

Ministro Gilberto Occhi quer planos de saúde alternativos

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, encomendou à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) a retomada da discussão sobre novos formatos de

Contrato do Ministério para testes rápidos de HIV é suspenso

O Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu suspender cautelarmente o contrato firmado pelo Ministério da Saúde com a empresa Orange Life

Paciente que estava internado com Guillain-Barré morre

Valdemir de Jesus dos Santos, de 53 anos, que estava internado após ser diagnosticado com a síndrome de Guillain-Barré, teve uma parada

Morre 5ª criança com suspeita de infecção por raiva humana

A Secretaria de Saúde Pública do Pará confirmou, na noite de sexta-feira (11), a morte da quinta vítima por suspeita de raiva humana na ilha

Em oito anos, Brasil perdeu 34 mil leitos hospitalares do SUS

O Brasil perdeu 34 mil leitos hospitalares em unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) nos últimos quatro anos. De acordo com levantamento feito

Mais de 500 casos de chikungunya são confirmados em Teixeira

Teixeira de Freitas: De janeiro até 25 de abril deste ano, 546 casos de chikungunya foram confirmados em Teixeira de Freitas, cidade no extremo

Nossos Apoiadores: