Depois da bebedeira, o corpo fica desidratado e precisa de tempo para metabolizar o álcool que está no sangue.

Que Carnaval é sinônimo de festa e diversão, todo mundo concorda. Mas, para algumas pessoas, os quatro dias de farra também significam exagero... Ou seja, dançar, pular e beber até cair. No outro dia, o que sobra é a ressaca e aquele desejo de que o mundo acabe —  e, com ele, a dor de cabeça, o enjoo, a dor de estômago e o mal-estar.

Mas o que é ressaca? A médica hepatologista Edna Strauss, da Sociedade Brasileira de Hepatologia, explica que quando uma pessoa ingere uma bebida alcoólica, o álcool passa pelo tubo digestivo, que absorve uma parte, mas 90% da substância vai para o fígado

O problema é que o fígado não consegue metabolizar tudo. Parte do álcool ingerido acaba indo para a corrente sanguínea e, assim, passa por todo o corpo, inclusive pelo cérebro. O que define uma ressaca mais ou menos forte é a sensibilidade de cada um, “quem bebe todos os dias, não sente tanto os efeitos da ressaca, o que não significa que o organismo não sofra as consequências do alto nível de álcool no sangue”, disse a Hepatologista.

O tipo de bebida também influencia na intensidade da ressaca, e isso não está ligado ao teor alcoólico do drink. A ressaca é causada pelo álcool e por outras substâncias que cada bebida tem. Algumas vodcas, por exemplo, chegam a ter mais de 80% de teor alcoólico, no entanto, de acordo com a Sociedade Brasileira de Hepatologia, as vodcas de boa qualidade são as bebidas que causam menos ressaca.

Por outro lado, o vinho tinto e o uísque podem causar as ressacas mais fortes. Isso acontece porque a vodca é feita apenas com etanol. Enquanto que as bebidas mais escuras possuem outros tipos de compostos biologicamente ativos que são produzidos durante o processo de fermentação. A regra diz que quanto mais escura for a bebida, maior a ressaca.

E o que fazer para curar a ressaca? De acordo com Edna Strauss, a única possibilidade é “descansar e esperar o organismo metabolizar o álcool que ainda está no sangue. Só assim os efeitos vão passar”. A médica explica que não adianta tomar remédio, os comprimidos, como a aspirina só vai sobrecarregar ainda mais o fígado - e a ressaca vai demorar mais para passar.

Mas a médica dá uma dica para quem não pode, ou não pretende, ficar o dia todo na cama: tomar muita água ou água de coco e se alimentar. “O ideal é comer alimentos leves, mesmo que a pessoa não tenha fome”, explica Strauss. Quem está realmente mal, pode apelar para o soro caseiro – em um copo de 200 ml de água, coloque uma colher de sopa de açúcar e uma colher de chá de sal. A receita não faz milagre, mas pode ajudar na recuperação.

Curar a ressaca com mais álcool? Acredite, não é uma boa ideia. Durante a ressaca o seu organismo está tentando metabolizar o álcool que ainda está na corrente sanguínea. Ingerir mais álcool vai fazer com que o processo leve mais tempo.

Fonte:R7

Secretaria abre sindicância para investigar caso de paciente que

Nova Viçosa: Um vídeo que circulou nas redes sociais nas últimas horas registra um cidadão sofrendo um ataque epiléptico na recepção do

OMS estuda exame de sangue que detecta câncer de pulmão

Um exame de sangue em estudo aumenta a precisão de detecção precoce do câncer de pulmão, diz a Organização Mundial de Saúde. O teste

Bahia é quinto estado que mais perdeu leitos de internação do SUS

Mais de 1,9 mil leitos de internação da rede pública foram desativados na Bahia nos últimos oito anos. O estado ocupa o quinto lugar em

Brasil tem 415 mortes confirmadas por febre amarela

Desde julho de 2017, o Brasil registrou 415 mortes por febre amarela, informa o último boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da

Pessoas casadas têm menor risco de morte por doenças do coração

Uma pesquisa desenvolvida por pesquisadores britânicos mostrou que o casamento pode proteger o coração. A partir da revisão de 34 estudos, com

Bahia lidera ranking de feridos por fogos de artifício

De acordo com dados do Sistema de Informação Hospitalar do governo federal, a Bahia é o estado que lidera o ranking de feridos por fogos de

Vacina contra sarampo pode ser aplicada em adultos e crianças

Brasil assiste em 2018 ao retorno do sarampo, infecção que já foi considerada "doença comum na infância" décadas antes de ser eliminada do

Brasil tem 327 mortes de crianças por zika desde novembro de 2015

O Brasil teve 327 morte de crianças relacionadas ao vírus desde novembro de 2015, quando o Ministério da Saúde passou a considerar a relação

Bahia tem 15% dos municípios com risco de retorno da poliomielite

Pelo menos 312 cidades brasileiras registram alto risco de retorno da poliomielite, sendo a Bahia o Estado com o quadro mais crítico. No total,

Poluição do ar provocou 32 milhões de casos de diabetes

A cada sete novos casos de diabetes, um é causado pela poluição do ar, de acordo com um estudo da revista Lancet Planetary Health. Embora a

Nossos Apoiadores: