DJ dia das mães

A segunda maior causa de idas ao consultório médico no país atualmente e que afeta cerca de 65% da população é a dor na lombar, trata-se da segunda condição de saúde mais prevalente no Brasil. A nível mundial, o problema só fica atrás dos casos de hipertensão nos índices de incapacidade e faltas no trabalho. Seus fatores de risco? O sedentarismo e o sobrepeso.

Conhecida também como lombalgia, a dor na lombar não é caracterizada como uma doença, e sim como um sintoma de um problema maior na coluna, que pode ou não ser crônico. Porém, mesmo nos casos típicos de dores lombares agudas, apenas 60% das pessoas afetadas pela lombalgia buscam tratamento.

“Nos casos típicos de lombalgia, geralmente a situação apresenta melhoras com repouso e medicamentos, mas quem apresenta os sintomas por mais de três meses pode estar com um problema crônico, que demanda uma atenção maior”, explica o Dr. Ailton Moraes, médico especialista em coluna e responsável pela ClínicaVertebrata.

Tipos de dor na lombar

Dor aguda: é causada por “mau jeito” nas costas ou então por espasmos musculares, que consequentemente produzem a sensação de rigidez nos músculos da região próxima ao sacro. Esse tipo de dor costuma desaparecer entre quatro e seis semanas.

Dor crônica: mais comum em pessoas acima dos 50 anos, essa lombalgia também pode ocorrer em todas as idades. Quando as dores nas costas são persistentes, por mais de três meses, elas são definidas como dor crônica na lombar.

Dor na lombar: o que pode ser?

Na maioria das vezes, as dores na lombar são causadas pela má postura – posições inadequadas para atividades corriqueiras do dia a dia, como sentar, abaixar ou carregar peso. Inflamações, infecções, hérnia de disco, artrose, escorregamento da vértebra e até mesmo fatores emocionais ou desequilíbrios psicológicos podem motivar a lombalgia.

“As causas inflamatórias, reumáticas e nervosas, entretanto, são as principais motivações das dores na lombar”, afirma o especialista. Outros agentes que podem desencadear o problema são os movimentos bruscos com o quadril, e a degeneração dos discos intervertebrais em decorrência da idade avançada, no caso de idosos.

Raramente a dor está relacionada a doenças graves na coluna, mas na dúvida um médico sempre deve ser procurado. Problemas como infecções, síndrome da cauda equina, aneurismas, fibromialgia tumores e pedras nos rins podem causar a lombalgia, mas isso não costuma ocorrer com frequência de acordo com o médico.

“A maioria dos casos de dor na lombar são de natureza mecânico-degenerativa, ou seja, são causados por uma alteração funcional de alguma parte da coluna, ou mesmo por encurtamento dos músculos, principalmente, os lombares, os da perna e os posteriores da coxa”, explica Moraes.

Outros fatores de risco e como prevenir a lombalgia

O desenvolvimento da dor na lombar também pode ser motivado pelo tabagismo, falta de descanso adequado, gestação, lesões esportivas ou fatores ocupacionais. Até a má alimentação pode ser culpada, afinal, uma dieta rica em vegetais e alimentos saudáveis é essencial para a qualidade de vida.

Cada vez mais, a população adota um estilo de vida sedentário, que estimula o aparecimento da dor na lombar por conta do enfraquecimento da musculatura de sustentação da coluna, que a pressiona em excesso, ocasionando as dores. Sentar com a coluna inclinada e notar sinais de desalinhamento na silhueta, além de andar “curvado” também são sinais de que em breve a lombalgia poderá aparecer.

Para prevenir a dor lombar, pequenos cuidados podem fazer toda a diferença, como a eliminação de hábitos nocivos. Entre eles, destaque para:

Sedentarismo: a prática de exercícios físicos regulares é importantíssima para a prevenção; porém, ela deve ser realizada com a orientação de um educador físico, que evitará lesões futuras.

Carregamento de peso: o costume de levar bolsas ou mochilas muito pesadas também é prejudicial, e deve ser alternado entre os braços e ombros, para que a distribuição de peso seja otimizada.

Má postura: a prevenção desse hábito demanda uma mudança de várias atitudes no dia a dia. No ambiente de trabalho, posturas adequadas, alongamento e uma cadeira ergonômica são ações fundamentais para melhorar a produtividade e diminuir a incidência de dor na lombar

Tabagismo: esse fator, além de extremamente prejudicial à saúde como um todo, também aumenta as chances de dor lombar. Pare de fumar agora mesmo!

Sobrepeso: pessoas obesas ou acima do peso ajudam a coluna quando diminuem os números na balança, já que isso diminui a sobrecarga nas vértebras e, consequentemente, os riscos de lombalgia.

“Para manter uma boa postura, os alongamentos na coluna são uma maneira prática e eficaz e podem ser feitos a qualquer momento do dia, inclusive na cama, na hora de acordar ou antes de dormir”, afirma o doutor Ailton.

Como aliviar a dor na lombar

Como a maioria dos casos de dor lombar não costuma ser grave, cuidados simples podem fazer a diferença, como a aplicação de bolsas de gelo – recomendadas no início da dor, nos primeiros dois dias, para aliviar a dor anestesiando os nervos da área afetada, ajudando também a prevenir e a reduzir o inchaço. Já nos casos crônicos, após mais de 48 horas do início da dor, a aplicação de calor pode ser mais eficaz. “O processo de cicatrização é auxiliado pelo calor, que acalma os músculos doloridos, aumentando o fluxo sanguíneo e ajudando no processo de cicatrização com bolsas de água quente”, explica o Dr. Ailton.

Para relaxar a musculatura, liberando endorfinas que aliviam a dor, as massagens também são ótimas aliadas no tratamento da dor lombar, que ajudam a relaxar a musculatura, evitando que os músculos fiquem muito rígidos, o que pode causar ainda mais dor.

Nos casos de mais de 12 semanas de dor lombar, em que o problema é mais grave, o paciente deverá se submeter a sessões de fisioterapia ou de reeducação postural global (RPG) após a indicação médica.

Mas sempre é bom reforçar que apenas um diagnóstico preciso feito a partir de exames clínicos ou testes mais extensos como radiografia, tomografia ou ressonância magnética, o tratamento ideal para dor na lombar poderá ser indicado de acordo com as causas e gravidade de cada situação.

Por: Liberdadenews/Ascom

Anvisa aprova genérico para tratamento de hepatite C

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o registro de um medicamento genérico inédito para tratamento de infecções

Anvisa inicia discussão de plantio de maconha para uso terapêutico

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) dará, dentro de três semanas, o primeiro passo para a regulamentação do plantio da

Nara Almeida não resiste a câncer raro e morre

Morreu na madrugada desta segunda-feira a blogueira Nara Almeida em São Paulo em decorrência de um câncer de estômago, descoberto em 2017. Com

Número de embriões humanos congelados cresce 17% no Brasil

O Brasil registrou crescimento de cerca de 17% no número de embriões humanos produzidos pelas técnicas de fertilização in vitro

Alcobaça lança “Consultório Móvel” para atender comunidades

Alcobaça: O anúncio oficial foi feito nesta quinta-feira (17), quando já foram realizados os atendimentos na Comunidade Pequi (localidade

Número de casos de H1N1 sobe 14% na Bahia em seis dias

Em seis dias, os casos confirmados de H1N1 subiu de 100 para 114 na Bahia. O avanço representa um aumento de 14%, segundo dados divulgados pela

Recém-nascida de 6 quilos chama a atenção de médicos em MG

Um parto ocorrido na maternidade da Santa Casa de Misericórdia e Hospital São Vicente de Paulo em Porteirinha, no Norte Minas, surpreendeu e

Ministro Gilberto Occhi quer planos de saúde alternativos

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, encomendou à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) a retomada da discussão sobre novos formatos de

Contrato do Ministério para testes rápidos de HIV é suspenso

O Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu suspender cautelarmente o contrato firmado pelo Ministério da Saúde com a empresa Orange Life

Paciente que estava internado com Guillain-Barré morre

Valdemir de Jesus dos Santos, de 53 anos, que estava internado após ser diagnosticado com a síndrome de Guillain-Barré, teve uma parada

Nossos Apoiadores: