Dados da Sociedade Brasileira de Glaucoma (SBG) apontam que cerca de 3% da população brasileira com idade acima de 40 anos tenha a doença, que é silenciosa e assintomática. Devido a essas características, estima-se que 50% dos pacientes não são diagnosticados. De acordo com a oftalmologista Claudia Galvão, membro da SBG, o glaucoma é uma enfermidade extremamente complexa, devido a controvérsias com relação ao diagnóstico. "As pessoas não têm sintomas, então o paciente simplesmente não sabe.

O glaucoma não leva o paciente ao médico, o que leva é enxergar mal, olho coçando, diabetes, questões comuns", afirmou. A doença é considerada a principal causa de cegueira irreversível no mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), são registrados 2,4 milhões de novos casos anualmente. Para alertar sobre a necessidade de diagnóstico precoce, é celebrado neste sábado (26) o Dia Nacional de Combate ao Glaucoma. O diagnóstico da doença é feito durante consulta oftalmológica e, se realizado precocemente, pode evitar a perda da visão. Claudia Galvão explicou que há fatores de risco importantes que alertam o paciente sobre a necessidade de consulta.

Entre eles estão: pressão intraocular elevada, idade acima dos 40 anos, histórico familiar de glaucoma, diabetes e doenças nos olhos. Apesar da ausência de pesquisas com dados específicos sobre a Bahia, a oftalmologista explicou que se estima um número de casos maior no estado, em comparação ao Brasil, devido à prevalência de afrodescendentes. "Algumas raças têm prevalência maior, como a raça negra. Na verdade, tanto a prevalência é maior quanto a evolução para uma forma bem grave", acrescentou.

A médica fez ainda um alerta para os riscos da automedicação. "Há muitos casos de pacientes que usam colírio sem orientação médica. Agora, por exemplo, que tivemos um surto de conjuntivite, eu recebi paciente que teve conjuntivite e pegou o colírio do primo pra usar". Colírios que contêm corticoide têm boa resposta no tratamento de alergias, por exemplo, mas não devem ser usados sem acompanhamento médico, já que um de seus efeitos colaterais é o aumento da pressão intraocular. Apesar de tentativas da SBG para tornar obrigatória a retenção de receita médica para colírios com corticoide, as solicitações não foram atendidas.

Número de mortes por H1N1 sobe para 22 na Bahia

O número de mortes provocadas pela gripo H1N1 aumentou para 22 na Bahia. Os dados são referentes ao período que vai de janeiro até o dia 9 de

Obesidade atinge um em cada cinco adultos no Brasil

A epidemia de obesidade no Brasil começa a dar sinais de estagnação. Dados inéditos do Ministério da Saúde obtidos pelo jornal O Estado de S.

Portugal aprova uso de maconha com finalidade medicinal

O parlamento de Portugal aprovou nesta sexta-feira (15) o uso de maconha para fins medicinais. Originada de dois projetos de lei - um do Bloco de

Vacinação contra a Gripe em Teixeira segue até a próxima sexta

O Ministério da Saúde decidiu prorrogar a vacinação contra a gripe até o dia 22 de junho. Com isto, os Postos de Saúde do Município de

Bahia: Ministério da Saúde prorroga vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde decidiu prorrogar a Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe até o dia 22 de junho, devido às baixas coberturas

Justiça condena médico a prisão por molestar paciente

O médico Abib Maldaun Neto, 54, especializado em nutrologia, foi condenado por violação sexual de uma de suas pacientes. Ele foi condenado a

Para 92% dos brasileiros, música melhora a experiência com sexo

Escutar música durante o sexo melhora a experiência, de acordo com 92,3% dos brasileiros. O resultado faz parte de uma pesquisa encomendada pelo

Médico é denunciado por cobrar para realizar cirurgias do SUS

O médico Samuel Artur Cardoso de Souza foi denunciado nesta segunda-feira (11) pelo Ministério Público estadual por cobrar pacientes do Sistema

Cidade gaúcha vive maior surto de toxoplasmose do Brasil

Um surto de toxoplasmose de grandes proporções atinge a cidade gaúcha de Santa Maria. O município já havia virado notícia no País há cinco

Chikungunya poderá ter novo surto nos próximos dois anos

Uma nova epidemia de chikungunya poderá ocorrer no Brasil nos próximos dois anos, sendo o Nordeste e a faixa litorânea na região Sudeste as

Nossos Apoiadores: