A Ordem dos Advogados do Brasil seção São Paulo (OAB-SP) entrou nesta terça-feira (19) com representação no Ministério Público Federal questionando a atuação do promotor de Justiça Frederico Liserre Barruffini e do juiz Djalma Moreira em dois casos de esterilização de mulheres em Mococa, no interior paulista. A OAB-SP também acionou o Conselho Nacional de Justiça e estuda levar o debate à Organização dos Estados Americanos (OEA) - audiência pública na semana que vem deve decidir a questão. 

Para o coordenador de Direitos Humanos da OAB-SP, Martim de Almeida Sampaio, as duas decisões tomadas pelo juiz de Mococa Djalma Moreira Gomes, com base em pedidos do promotor de Justiça Federico Liserre Barruffini, para fazer a laqueadura em duas mulheres - uma dependente química e outra mentalmente incapaz -, ferem a Convenção de Nova York, de proteção a pessoas com deficiência, e a Lei Brasileira de Inclusão, nascida após o acordo. "A lei brasileira diz que a pessoa deficiente, e isso pode ser uma incapacidade mental temporária ou permanente, tem assegurado seus direitos sexuais e reprodutivos", diz. "Essas decisões foram uma violência, baseadas em discernimentos morais." Procurado, o Tribunal de Justiça de São Paulo informou que o juiz não se manifestaria, conforme estabelece a Lei Orgânica da Magistratura.

A reportagem também acionou o Ministério Público de São Paulo (MP-SP), que também disse que não se pronunciaria sobre os casos. O segundo caso em que uma jovem teve a laqueadura determinada pela Justiça em Mococa foi em março de 2017, segundo informou nesta terça o jornal Folha de S.Paulo. Tatiana Monique Dias, de 24 anos, que já havia sido alvo de decisão judicial que a declarou mentalmente incapaz em 2013, quando tinha 19, teve a laqueadura tubária pedida pela mãe, diz o processo. "A requerida é incapaz e já teve dois filhos. Ademais, mantém relacionamento afetivo com um homem, pai de seus dois filhos, e, portanto, tende a ter nova prole, pois não tem condições, em razão de sua incapacidade, de avaliar as consequências da gestação", escreveu Barruffini no pedido. O promotor diz que tanto a "curadora quanto os órgãos da rede de proteção de Mococa entendem ser imprescindível que a requerida seja submetida à esterilização (...)".

Ele ingressou a ação judicial, com pedido de liminar, no dia seguinte ao segundo parto de Tatiana. Mesmo com a declaração de incapacidade, o promotor anexou na ação um termo de declaração assinado pela jovem em que ela diz consentir com o procedimento. Tatiana tem o diagnóstico de portadora de "retardo mental moderado" desde 2012. A jovem foi defendida pelo advogado Luiz Antônio Converso Júnior, por meio de um convênio entre a Defensoria Pública e a OAB. No documento, Converso Júnior citou pareceres do Conselho Regional de Medicina (Cremesp) e legislação federal que vedam esterilização cirúrgica em períodos pós-parto, salvo algumas exceções. A defesa foi apresentada nove meses após a laqueadura. Em sua decisão, o juiz afirmou que "restou provado que a representada não possui condições de cuidar e educar seus filhos, tanto que o primeiro está sob a guarda e responsabilidade de terceiros", e citou que Tatiane havia consentido com o procedimento. 

A reportagem tentou, sem sucesso, localizar Tatiana e a mãe, Inês Martins Oliveira, em dois endereços de Mococa que constam no processo. Elas haviam se mudado do primeiro, segundo vizinhos, e não estavam no segundo - um sítio na área rural. O primeiro caso, revelado na semana passada, envolve a laqueadura de Janaina Aparecida Quirino, cuja decisão foi baseada no fato de ela ser moradora de rua, dependente química e ter sete filhos. A Defensoria disse que ela foi esterilizada sem ser ouvida e que o procedimento não poderia ter sido feito após o parto. Após o caso vir à tona, a OAB disse que ela havia autorizado.

Fonte: Bahianoticias


Estudos apontam que melatonina inibi crescimento de tumores

Revisão científica sobre prevenção e tratamento do câncer apontou que o hormônio tem papel oncológico nos casos de mama, ovário e

Grupo de médicos cubanos luta na Justiça por trabalho no Brasil

Brasil: Pelo menos 150 médicos cubanos desertores do programa federal lutam na Justiça para poder clinicar no Brasil de forma independente,

Seleção de substitutos de médicos cubanos será feita neste mês

Governo brasileiro e Opas tratam do tema em reunião nesta sexta O Ministério da Saúde informou nesta sexta-feira (16) que fará ainda este mês

Como as dietas afetam a saúde mental

O que você come muda como você se sente. Estes alimentos são os melhores para o seu cérebro Pessoas ativas tendem a pensar o que comida está

Antibióticos criam superbactérias que matarão mais que o câncer

O uso exagerado de antibióticos está criando superbactérias tão resistentes que já matam 700 mil pessoas por ano no mundo. O fenômeno é

Bahia está entre os estados que mais aplicam recursos na saúde

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) contesta a análise realizada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) em recente publicação. No

Brasil gasta menos de um dólar com saúde por dia por habitante

Valor é de R$ 3,48, segundo levantamento do Conselho Federal de Medicina divulgado nesta terça-feira (13); quantia é dez vezes inferior ao do

Prefeito Temóteo Brito entrega Lacen após a reforma estrutural

O Prefeito Temóteo Alves de Brito fez a entrega da reforma estrutural e investimento em equipamentos do Lacen de Teixeira de Freitas na manhã

Governo faz alerta e pede imunização contra febre amarela

O Ministério da Saúde emitiu um alerta nesta segunda-feira (12) para que populações que moram em áreas onde há recomendação da vacina

Cirurgião do HMTF fala sobre melhorias na Unidade e novos

Teixeira de Freitas: O jornalismo do Liberdade News conversou com o Dr. Manoel Francisco, medico cirurgião, na manhã da última sexta-feira, 09

UAI Brasil
O teixeirão 2018
previcon
Connect Informática
Nossos Apoiadores: