Inicialmente, serão oferecidos apenas serviços ambulatoriais. Marcação pode ser feita de segunda a sexta-feira, das 13h às 19h

O ambulatório transexualizador do Hospital Universitário Professor Edgard Santos (HUPES), localizado no centro de Salvador, será aberto para atendimento nesta sexta-feira (4). A unidade é a primeira a oferecer o serviço pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na Bahia.

Conhecido como Hospital das Clínicas, o Hospital Universitário Professor Edgard Santos é ligado à Universidade Federal da Bahia (Ufba). A autorização para fazer o processo transexualizador foi concedida pelo Ministério da Saúde em julho deste ano.

De acordo com a assessoria do hospital, inicialmente, serão oferecidos apenas serviços ambulatoriais. As marcações já começaram. Elas podem ser feitas de segunda a sexta-feira, das 13h às 19h, no prédio do Ambulatório Magalhães Neto. Os interessados devem apresentar documento de identidade, CPF, cartão do SUS e comprovante de residência. O atendimento ocorre às sextas.

Ainda de acordo com a assessoria, a previsão é de que o fornecimento da terapia hormonal comece a partir do início próximo ano. Para realizar as cirurgias previstas na Portaria 2803, inclusive a de redesignação sexual, a instituição aguarda autorização do Ministério da Saúde, conforme o hospital.

Para receber atendimento na unidade, os homens e mulheres transexuais e as travestis devem ter mais de 18 anos. O acompanhamento será feito por uma equipe multidisciplinar, formada por médicos endocrinologistas, enfermeiros, assistentes sociais, psiquiatras e psicólogos.

Processo transexualizador

O processo transexualizador pode ser definido como um conjunto de estratégias assistenciais para transexuais que pretendem realizar modificações corporais do sexo, que inclui a cirurgia de mudança de sexo, em função de um sentimento de desacordo entre seu sexo biológico e seu gênero.

O processo transexualizador já é realizado por meio do SUS desde a publicação da portaria nº 457, de agosto de 2008, pelo Ministério da Saúde.

O texto estabelece idade mínima de 18 anos para procedimentos que incluem acompanhamento multiprofissional e hormonioterapia. Já para intervenções cirúrgicas, a idade mínima é de 21 anos. Também é definido que, para realização do processo transexualizador, são necessários pelo menos dois anos de acompanhamento terapêutico.

Todas as unidades com o aval para realizar o procedimento devem oferecer serviços de atenção especializada com médicos das áreas de endocrinologia, ginecologia, urologia, obstetrícia, cirurgia plástica, psicologia e psiquiatria, além de enfermagem e assistência social.

Fonte: G1


Biólogo brasileiro faz HQ sobre o ciclo de vida dos insetos

Lançada nesta quarta-feira (20), HQ ilustra resultados de um experimento da Universidade Federal de Goiás realizado em 2016; leia a

Como a poluição do ar pode prejudicar a saúde do seu intestino

O microbioma intestinal é composto de bilhões de bactérias. Cientistas têm tentado entender como elas afetam nossa saúde, aumentam o risco de

Saúde e Humanização: Prefeito Temóteo entrega Unidade Básica de

Teixeira de Freitas: A entrega da Unidade de Saúde no Bairro Teixeirinha aconteceu na tarde desta quinta-feira (21), com a presença do Prefeito,

Caixa instalada para mulheres abandonarem bebês nos EUA

A caixa, no quartel de bombeiros no Estado da Indiana, nos EUA, lembra mais um recipiente para cartas, mas, na verdade, é destinada a ter nela

Uma hora a mais de sono faz diferença?

Uma pesquisa recente mostra que a falta de sono afeta a memória e o desempenho no trabalho em áreas váriadas Muitos de nós fazemos isso.

O que é a neve preta que está caindo na Sibéria?

Cidade coberta por neve preta e tóxica fica próxima a uma mina de carvão Partes da cidade de Kiselyovsk, da região da Sibéria, na Rússia,

Distúrbios na visão, o sintoma muitas vezes ignorado da enxaqueca

Sintoma mais comum de doença que afeta 15% da população é a dor de cabeça, mas o que muitos não sabem é que ela pode se manifestar por meio de

Fevereiro roxo: entenda o lúpus, doença que afeta Selena Gomez

Doença autoimune causa inflamações na pele, articulações e órgãos; apesar de não ter cura, o lúpus pode ser tratado e paciente pode ter vida

Brasil corre risco de perder selo de erradicação do sarampo

O Brasil corre o risco de perder o certificado de erradicação do sarampo, obtido há três anos. Sem conseguir controlar a transmissão da

Prematuros apresentam mais risco de hidrocefalia

Mesmo com os avanços na medicina neonatal, os bebês que nascem prematuros (pré-termo), ou seja, com idade gestacional inferior a 37 semanas e

UAI Brasil
O teixeirão 2018
Connect Informática
Nossos Apoiadores: