Embora o risco de infarto seja menor em mulheres, certos fatores de risco parecem ter um impacto maior sobre elas

As mulheres que fumam, sofrem de diabetes ou hipertensão correm mais risco de ter um ataque cardíaco do que homens nas mesmas condições, afirma uma pesquisa liderada por cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Ao longo de sete anos, 5.081 participantes tiveram seu primeiro ataque cardíaco - e um em cada três eram mulheres. De uma maneira geral, os homens ainda são três vezes mais propensos do que as mulheres a ter um ataque cardíaco.

Mas, embora o risco de infarto seja menor em mulheres do que em homens em todas as faixas etárias, certos fatores de risco parecem ter um impacto maior sobre as mulheres.

De acordo com a pesquisa, as mulheres que fumavam tinham três vezes mais chance de ter um ataque cardíaco do que aquelas que não fumavam - mas, no caso dos homens, o hábito de fumar apenas dobrou o risco.

A hipertensão, por sua vez, aumentou em 83% o risco nas mulheres, em relação a seu efeito nos homens. O estudo também concluiu que o diabetes tipo 1 e tipo 2 teve um impacto maior sobre o risco de infarto em mulheres na comparação com os homens,

Os pesquisadores dizem não saber por que esses fatores diferem de acordo com o sexo. Embora nenhuma conclusão possa ser tirada sobre causa e efeito, eles têm algumas teorias.

Pesquisadores alertam que as mulheres muitas vezes não percebem que correm o risco de desenvolver doenças cardíacas

Fatores biológicos podem ajudar a explicar. Por exemplo, o diabetes tipo 2, que geralmente está associado a maus hábitos alimentares e a um certo estilo de vida, pode ter um impacto diferente no coração feminino em relação ao masculino.

"É algo complexo que acontece no longo prazo, provavelmente causado por uma combinação de fatores - biológicos e sociais", diz Elizabeth Millett, principal autora do estudo e epidemiologista do Instituto George para Saúde Global, da Universidade de Oxford.

Em artigo publicado na revista científica BMJ, os pesquisadores alertam que as mulheres muitas vezes não percebem que correm o risco de desenvolver doenças cardíacas - e sugerem que elas podem não estar recebendo o atendimento e tratamento adequados.

Segundo os autores, elas deveriam ter acesso aos mesmos tratamentos dos homens e receber, por exemplo, apoio para parar de fumar. Além disso, os médicos também deveriam ser mais eficientes em identificar o risco em pacientes do sexo feminino.

"A doença cardíaca também afeta as mulheres e isso precisa ser reconhecido", afirma Millett.

"As mulheres precisam estar cientes de que correm risco, mas, apesar das diversas campanhas, isso ainda não está no radar da maioria das mulheres."

Em um editorial publicado junto do estudo, os cientistas afirmam que os homens podem ser mais propensos a enfartar, mas a doença cardíaca é a que mais mata mulheres no Reino Unido.

Millett acredita que, no futuro, com o envelhecimento da população, as mulheres podem começar a apresentar uma taxa geral de ataques cardíacos semelhante a dos homens.

Mas, segundo os pesquisadores, as mulheres com diabetes, pressão alta e que fumam "devem considerar um nível de risco comparável ao de muitos homens".

Sintomas de ataque cardíaco

- Dor no peito - sensação de pressão, aperto no centro do peito

- Dor em outras partes do corpo - pode parecer que a dor irradia do peito até os braços (geralmente é no braço esquerdo, mas pode afetar ambos os membros), mandíbula, pescoço, costas e abdômen

- Vertigem ou tontura

- Sudorese

- Falta de ar

- Enjoo

- Sensação forte de ansiedade (semelhante a um ataque de pânico)

- Tosse ou chiado

Embora a dor no peito costume ser forte, algumas pessoas podem sentir apenas um pequeno incômodo, semelhante à indigestão. Em alguns casos, a dor no peito pode ser inexistente, especialmente em mulheres, idosos e pessoas com diabetes.

Fonte: Sistema Público de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês)


Exame aponta que turista adolescente que morreu em Porto Seguro tinha

Porto Seguro: A Secretaria Municipal de Saúde de Porto Seguro confirmou, na noite desta segunda-feira (15), que a morte da estudante paulista

UBS realiza avaliação física de atletas teixeirenses

A Secretaria de Saúde de Teixeira de Freitas, por meio da Unidade Básica de Saúde do bairro Redenção, realizou na tarde desta segunda-feira

Instituto vai habilitar cirurgiões para procedimentos robóticos

Incisões reduzidas, menor sangramento e recuperação mais rápida do paciente são algumas das vantagens da cirurgia robótica, tecnologia na

Importante medicamento para bebês prematuros passa a ser

A Unidade Municipal Materno Infantil (UMMI) de Teixeira de Freitas foi integrada no pólo de referência para a aplicação da Palivizumabe, que é

Os sintomas do sarampo, doença que pode matar reincidente no Brasil

O sarampo pode gerar complicações graves especialmente em crianças Apesar de existir uma vacina segura e barata contra a doença, o sarampo

América Latina e Caribe vivem "epidemia de obesidade"

25% da população e 60% dos habitantes têm sobrepeso na região do estudo América Latina e Caribe são vítimas de uma "epidemia de obesidade",

ACE’s recebem treinamento para realizar trabalho com tablet’s

Teixeira de Freitas: O trabalho dos Agentes de Combate à Endemias (ACE) de Teixeira de Freitas ganhou mais agilidade. Após a capacitação, que

Insulina inalável pode ajudar no tratamento do diabetes

Maioria dos pacientes mantém doença fora de controle, diz médico A recente liberação da insulina inalável (03/06) marca a passagem do Dia

Médicos têm até hoje para se apresentar nos muncípios

Reforço beneficiará mais de 6 milhões de pessoas Encerra hoje (28) o prazo para que os profissionais do Programa Mais Médicos se apresentem

Prefeito Temóteo inaugura UBS Liberdade II em Teixeira de Freitas

Teixeira de Freitas: Mais uma entrega importante na área da saúde para a população teixeirense. A Prefeitura Municipal de Teixeira de Freitas

Nossos Apoiadores: