Novas pesquisas descobrem que halterofilistas têm línguas mais fortes e corredores têm melhor resistência da língua – e isso é importante

Sempre que ouço sobre os pesquisadores na vanguarda do desenvolvimento de uma “pílula de exercício” que replicaria os benefícios da atividade física, penso neste estudo de 2009 com 30.000 corredores, que descobriram que o risco de glaucoma a longo prazo era inversamente proporcional à quilometragem semanal e melhor tempo em 10K. Outros estudos da mesma linha encontraram relações semelhantes para câncer no cérebro, mortalidade da sepse e doença da vesícula biliar. Alguém pode eventualmente desenvolver uma pílula que aumenta o meu VO2max – mas também preservará minhas articulações e evitará a degeneração macular?

É nesse espírito de “Mas espere, tem mais!”, que apresento a mais recente adição ao meu informativo hipotético sobre os benefícios do exercício. Uma equipe de pesquisadores liderada por Heidi VanRavenhorst-Bell, da Universidade Estadual de Wichita, demonstrou que o exercício está associado à maior força da língua e resistência da língua. E nem todo exercício é criado igual. Os halterofilistas têm maior força máxima na língua; corredores têm maior resistência da língua. (O autor de execução, Scott Douglas, já fez a piada sobre o beijo no Twitter, então vou passar adiante.)

Eu admito que isso inicialmente parecia mais uma novidade boa para algumas risadas. Mas li o estudo por curiosidade e saí com um grande respeito pela importância da pesquisa do músculo da língua – que, ao que parece, é um campo florescente com centenas de estudos nos últimos anos.

Os bons músculos da língua são cruciais para a “patência das vias aéreas superiores”, que se relaciona com a sua capacidade de manter as vias aéreas abertas enquanto você dorme. Se as fibras musculares de contração lenta na parte de trás da sua língua não tiverem resistência, aumentará o risco de respiração bucal e apneia do sono. E a força da língua, particularmente nas fibras de contração rápida em direção à frente da língua, também é crucial para a deglutição. A maioria das línguas das pessoas fica mais fraca à medida que envelhecem, o que pode levar a disfagia ou dificuldade para engolir. Assim, em um mundo perfeito, você manterá grande resistência na parte traseira de sua língua para evitar problemas nas vias aéreas e grande força na frente de sua língua para evitar problemas de deglutição.

Em um estudo de 2016, VanRavenhorst-Bell avaliou a força e a resistência da língua em 48 voluntários, e descobriu que aqueles classificados como altamente ativos tiveram maior pontuação nas medidas de língua do que seus pares sedentários. O efeito foi mais pronunciado em pessoas na faixa dos 60 anos do que em pessoas na faixa dos 20 anos, sugerindo que o exercício regular ajuda a evitar o declínio normal relacionado à idade no músculo da língua.

Como você avalia músculo da língua, eu ouço você se perguntando? Usando o Iowa Oral Performance Instrument, é claro. Isso envolve basicamente colocar uma lâmpada cheia de ar na boca e usar a língua para pressioná-la contra o céu da boca; a máquina mede quanta pressão você pode exercer. Endurance, na pesquisa de VanRavenhorst-Bell, é avaliado como o período de tempo que você pode sustentar 50% da sua pressão máxima pessoal. Você pode posicionar a lâmpada em diferentes lugares para avaliar a força de diferentes partes da língua. Há um pequeno GIF ilustrando o dispositivo em ação nesta página, o que eu prometo que vale o clique.

Para o novo estudo, VanRavenhorst-Bell e seus colegas recrutaram 21 levantadores de peso e 23 corredores, cada um deles envolvido em sua atividade preferida pelo menos quatro vezes por semana. Eles hipotetizaram que a respiração rítmica dos corredores de endurance produziria maior resistência da língua, particularmente na parte posterior da língua, que é responsável pela manutenção das vias aéreas abertas. Os levantadores de peso, em contraste, usariam predominantemente a frente da língua para produzir inspiração e expiração fortes, resultando em maior força na frente da língua.

E isso é mais ou menos o que eles descobriram, como se vê. Quando você observa a força máxima da língua, não há diferença significativa entre os grupos na parte posterior (posterior) da língua, mas os levantadores de peso são mais fortes na parte anterior (frente) da língua. Veja como eram os resultados:

 Para a resistência da língua, que foi novamente o tempo que os sujeitos conseguiram manter 50% de sua pressão máxima, os corredores tiveram uma resistência muito melhor no geral, e a diferença foi de fato maior na parte posterior da língua:

língua

Há algumas ressalvas para apontar aqui. Uma é que a força da língua ligeiramente maior nos levantadores de peso pode ser simplesmente o resultado do “tamanho das características orofaciais”. Em outras palavras, os levantadores de peso tendem a ter cabeças maiores e bocas maiores que os corredores, então talvez seja por isso que suas línguas são mais fortes. Outra é que as medições de resistência podem ser distorcidas pelo fato de que os levantadores de peso eram mais fortes no geral, o que significa que eles tiveram que sustentar uma pressão maior durante o teste de resistência. Mas as diferenças de força foram muito sutis em comparação com as diferenças de resistência, de modo que é improvável que seja um fator importante.

E o que fazemos com esse pedacinho de informação? Podemos agora dizer com um pouco mais de confiança que o exercício, particularmente o exercício de endurance, pode ser útil na prevenção e talvez no tratamento de condições como apneia do sono e disfagia. Mas nós já sabíamos disso por outras razões. Sabendo que melhorar meu tempo em 10k poderia diminuir meu risco de glaucoma, nunca alterei meu treinamento, e duvido que isso tenha mudado os hábitos de outra pessoa também. Eu suspeito que o mesmo seja verdade para nosso novo entendimento da língua do corredor.

Ainda assim, acho que vale a pena adicionar a lista de exercícios, mas espere mais, porque isso reforça a mensagem de que há muito mais atividade física do que ainda percebemos. Esqueça os atalhos; pule as alternativas farmacêuticas. Sua língua, como o resto do seu corpo, foi feita para se mover.

Fonte: Go Outside


‘As doenças do século têm relação com o ruído’, diz

Confira entrevista completa com a arquiteta Débora Barretto Especialista em acústica e diretora técnica da Audium, a arquiteta Débora Barretto

Vacina contra sarampo pode ser aplicada em adultos e crianças?

Doença é altamente contagiosa e há surto no Norte do Brasil. Na rede pública, vacina administrada é a tríplice viral: protege contra caxumba,

Comissão do Senado faz audiência pelo Dia do Orgulho Autista

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado Federal, realizou na manhã de hoje (18) uma audiência que tratou do

Adolescente de 16 anos morre de dengue em Irecê

Uma menina de 16 anos morreu de dengue, em Irecê, no norte da Bahia. O resultado confirmando a doença saiu nesta segunda-feira (17), de acordo

Saúde recebe 3 mil novas doses da vacina contra a gripe

Teixeira de Freitas: A Secretaria Municipal de Saúde de Teixeira de Freitas, recebeu do Ministério da Saúde, via Secretaria Estadual de Saúde

Imunoterapia é aposta da medicina para vencer o câncer

Nos últimos anos, os avanços da oncologia revolucionaram a forma de tratar o câncer. Em 2018, dois pesquisadores ganharam o Prêmio Nobel de

Ministério da Saúde reforça necessidade da doação de sangue

Doação voluntária é importante para manutenção dos estoques Dezesseis brasileiros em cada mil são doadores de sangue, o que representa 1,6%

Sesab diz que parto normal é orientação preferencial, mas seguirá

A Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab) reafirmou que seguirá eventuais alterações no protocolos do Ministério da Saúde para a realização de

Cientistas criam técnica para alterar tipo de sangue para

Cientistas utilizaram enzimas de bactérias intestinais para transformar os tipos de sangue, para que não haja mais incompatibilidade entre

ANS suspende venda de 51 planos de saúde de 11 operadoras

Cinquenta e um planos de saúde de 11 operadoras tiveram a comercialização proibida a partir desta sexta-feira, 14. A decisão da Agência

Nossos Apoiadores: