Médico diz que atendimento deve envolver toda a família

O atendimento oncológico tem que estar integrado a um centro de tratamento especializado, dentro do qual se deve dar atenção especial à saúde mental dos pacientes, sobretudo quando se trata de crianças e adolescentes. A avaliação foi feita hoje (10) à Agência Brasil pelo oncopediatra Marcelo Milone Silva, membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (Sobope). “O paciente tem que ser visto não só pelo médico, mas por uma equipe multidisciplinar e, dentro dessa equipe, é imprescindível a presença de um psicólogo ou psiquiatra”, disse.

Segundo Milone, essa necessidade envolve não só o paciente, mas toda a família, englobando pais e, também, irmãos que, muitas vezes, se sentem negligenciados e desenvolvem irritação ou até mesmo raiva, porque todos os olhares passam a ser para a criança ou jovem doente. Ele acrescentou que é preciso levar em consideração também que o paciente, quando é feito o diagnóstico, tem sua rotina alterada completamente. “Devolver essa criança ou adolescente para o convívio dos amigos também é delicado”.

Quando esses pacientes são submetidos a tratamentos de quimioterapia, por exemplo, ocorrem alterações no seu aspecto físico, o corpo fica inchado sob ação de algum medicamento. Ele fica careca, pálido, a família fica mais controladora e tudo isso afeta a cabeça do paciente, que pode requerer atendimento psicológico ou psiquiátrico para medicação. Tem que ser visto de forma mais intensa”.

Suporte

Na avaliação do médico, o suporte psicológico ou psiquiátrico durante e após o tratamento oncológico é fundamental, inclusive para adolescentes ou adultos jovens, entre 18 e 20 anos, porque, nesta idade, eles começam a achar que a “turma” deles não entende o que eles estão passando. “O convívio que eles têm com a morte é muito próximo”.

O oncopediatra explicou que esses pacientes têm um convívio muito grande com a população hospitalar e veem muitos dos amigos com que convivem nesse ambiente e que se tratam da mesma doença, falecerem durante o tratamento. Daí a necessidade de terem um suporte emocional. Os pais também convivem com a ideia de perda dos filhos, o que é uma ideia muito delicada. “A finitude da coisa toda é muito próxima”, disse, para completar que esse é mais um sinal da importância do suporte emocional.

A taxa de cura dos pacientes com câncer hoje é muito variada, dependendo do tipo do câncer. Nos países mais desenvolvidos, como Canadá, Estados Unidos, Europa e Japão, por exemplo, atinge em torno de 80%. Segundo Milone, no Brasil o problema está na estrutura de modo geral. O oncopediatra disse que há condições de oferecer quimioterapia no Brasil como em qualquer outro país.

O problema é que, muitas vezes, o custo do remédio para o tratamento excede o valor pago pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Há remédios que custam até R$ 20 mil. Ocorre, ainda, que durante o tratamento, o paciente pode sofrer uma intercorrência e ter que ser levado para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), mas a estrutura do hospital não permite e ele acaba morrendo. Com isso, a taxa de cura no país, em geral, oscila entre 50% e 60%.

Transtornos

Segundo pesquisas internacionais, ex-pacientes da doença têm 10% mais transtornos psíquicos que a população em geral. Os resultados chamam a atenção para a importância de práticas relacionadas à saúde mental no tratamento oncológico de crianças e jovens, incluindo também familiares e profissionais de saúde. “O estresse pela perda de um paciente é muito intenso”. Daí a recomendação para que a equipe de saúde também tenha acompanhamento psicológico ou psiquiátrico.

O mês de janeiro é considerado o mês de conscientização sobre a saúde mental, que é importante em situações de tratamento de doenças como o câncer, segundo o médico.

Fonte: Agência Brasil


Exame descarta morte de balconista por H1N1 em Eunápolis

Eunápolis: A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) descartou que o balconista Narciso da Silveira Costa Neto, de 27 anos, tenha

O que é a sepse, doença que mais mata no mundo

Segundo estudo assinado por 24 pesquisadores de universidades de seis países baseado em registros médicos de 195 nações, 11 milhões de pessoas

China isola três cidades para tentar frear epidemia de coronavírus

Além de Wuhan, os municípios vizinhos de Huanggang e Ezhou foram isolados pelas autoridades; o governo de Pequim cancelou as festas de Ano Novo por

Grande Mutirão da Saúde entra na segunda etapa

Teixeira de Freitas: O Grande Mutirão da Saúde de Teixeira de Freitas entrou na segunda etapa. Nesta fase, são iniciadas as cirurgias. A ala de

Vigilância Epidemiológica investiga se balconista de farmácia

Eunápolis: A Vigilância Epidemiológica de Eunápolis investiga se o balconista de uma farmácia morreu em decorrência da gripe H1N1. Narciso da

Prefeito Temóteo Brito visita circuito do Grande Mutirão da Saúde

Teixeira de Freitas: Neste sábado, 18, o prefeito de Teixeira de Freitas, Temóteo Brito, visitou a estrutura do Grande Mutirão da Saúde. Ele

Teixeira: Mais de 3 mil cadastros são realizados no primeiro dia do

Teixeira de Freitas: O Grande Mutirão da Saúde de Teixeira de Freitas, logo no primeiro dia de cadastramento, superou a marca de 3 mil registros.

Conselho reduz de 21 para 18 anos idade para mudança de sexo

Reposição hormonal só será permitida após os 16 anos O Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou na última quinta feira no Diário Oficial

Morre o jornalista Erival Guimarães, aos 61 anos

Faleceu nesta sexta-feira, 10, no Hospital Santa Izabel, o jornalista Erival Guimarães, de 61 anos, ex-assessor de comunicação da Secretaria de

Número de grávidas com HIV aumenta quase 40% em dez anos

O número de grávidas com HIV no Brasil vem crescendo desde 2008, de acordo com os últimos dados do Boletim Epidemiológico de HIV/Aids

Nossos Apoiadores: